Schaeffler fecha acordo para assumir o controle da Continental | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 21.08.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Schaeffler fecha acordo para assumir o controle da Continental

Schaeffler eleva sua oferta pelas ações da Continental e assume o compromisso de não alterar as estratégias de mercado da empresa sediada em Hannover.

default

Continental é uma das principais fabricantes de autopeças da Europa

As empresas alemãs Continental e Schaeffler encerraram na noite desta quarta-feira (20/08) as difíceis negociações para a venda do controle da Continental, uma das 30 empresas relacionadas no índice DAX, da Bolsa de Frankfurt, à empresa familiar Schaeffler.

A transação chama a atenção pelo contraste entre o tamanho das duas empresas. A Schaeffler emprega 66 mil pessoas em todo o mundo e fatura em torno de 9 bilhões de euros por ano. A Continental emprega 150 mil pessoas e prevê para 2008 um faturamento de mais de 26,4 bilhões de euros.

De acordo com um comunicado da Continental, a Schaeffler elevou sua oferta de 70,12 euros para 75 euros por ação. O valor de mercado da Continental alcançaria 12 bilhões de euros, de acordo com essa cotação.

Controle acionário

A Schaeffler também se comprometeu a limitar sua participação na empresa em 49,99% nos próximos quatro anos. A completa incorporação da Continental não está nos planos da Schaeffler, cujo objetivo declarado é deter 30% das ações da empresa de Hannover – o suficiente para assumir o controle.

Manfred Wennemer, Vorstandsvorsitzender der Continental AG, spricht am 16. Juli 2008 in Hannover

Wennemer deixa a Continental após o acordo

A Schaeffler já detém 8% das ações da Continental e teria, segundo suas próprias projeções, a opção de adquirir mais 28%.

A Schaeffler assumiu ainda o compromisso de não tomar decisões estratégicas sem o consentimento da Continental e não modificar a política da empresa com os seus empregados. O ex-chanceler federal Gerhard Schröder deverá garantir que os interesses da Continental e de seus acionistas e empregados sejam respeitados no acordo.

Presidente deixa empresa

A conclusão das negociações tem ainda como consequência a saída do presidente da Continental, Manfred Wennemer, do comando da empresa. Ele anunciou sua renúncia para o próximo dia 31 de agosto. Wennemer havia criticado duramente o comportamento da família Schaeffler durante as negociações entre as duas empresas, chamando-o de "egoísta, egocêntrico e irresponsável". Seu sucessor deverá ser escolhido em breve.

Para o especialista Ferdinand Dudenhöffer, da Universidade de Gelsenkirchen, o negócio é bom para a indústria automotiva alemã. "Estratégias e tecnologias centrais poderão continuar sendo desenvolvidas na Alemanha no novo conglomerado Schaeffler-Continental", avaliou. Dudenhöffer lembrou ainda que as montadoras alemãs apóiam o negócio.

A Schaeffler tem sede em Herzogenaurach, no sul da Alemanha, mesma cidade que sedia as empresas Adidas e Puma. Continental e Schaeffler estão entre as principais fabricantes de autopeças da Europa. As duas empresas têm como maior cliente a Volkswagen.

Leia mais