SAP ignorou a crise conjuntural e cresceu 17% no ano passado | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 23.01.2002
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

SAP ignorou a crise conjuntural e cresceu 17% no ano passado

A empresa alemã SAP, maior produtora de software da Europa, apresenta resultados excelentes, apesar da crise conjuntural enfrentada pelo setor em todo o mundo.

default

A sede da SAP em Walldorf, próximo a Heidelberg

O presidente da SAP, Hasso Plattner, apresentou em Frankfurt, nesta quarta-feira (23), um excelente balanço de 2001 da empresa e ressaltou que, além da expectativa de um crescimento de 15% no faturamento de 2002, a margem operacional da SAP também deverá crescer em pelo menos 5%: "Estamos certos de que lograremos concretizar tais metas". Já em 2001, a firma altamente especializada conseguiu impor-se contra a tendência negativa de todo o setor, apresentando um desempenho melhor que os concorrentes – entre eles, alguns gigantes da produção de programas para microcomputadores. "De maneira geral, 2001 foi um bom ano de negócios", esclareceu Plattner.

Resultado excelente em 2001

Com os dados básicos apresentados, Plattner confirmou as informações divulgadas previamente, no início de janeiro, sobre o desempenho da empresa no ano passado. Em 2001, a SAP aumentou o seu faturamento em 17%, atingindo um total de 7,34 bilhões de euros e no resultado operacional logrou uma margem de 20%. No último trimestre do ano, contudo, os negócios sofreram uma desaceleração, o que foi atribuído às conseqüências dos atentados de 11 de setembro.

A diretoria da SAP mostrou-se satisfeita com a evolução dos negócios de 2001, principalmente nas regiões da Europa, da África e do Oriente Médio, onde o faturamento aumentou em 23%, atingindo um total de 3,8 bilhões de euros. Na América, o aumento do volume de negócios foi de 12% e na região da Ásia e Pacífico, de 9%.

Boas perspectivas para 2002

A SAP espera um claro impulso no negócio de licenças de software especialmente no segundo semestre de 2002. A empresa não cogita, no momento, da aquisição de outras firmas, declarou o Hasso Plattner. Apesar das especulações em contrário de círculos ligados ao setor, a SAP não pretende tampouco reduzir ou desfazer-se da sua participação na Commerce One, empresa americana especializada no comércio por internet e que está enfrentando grandes problemas econômicos. Os analistas mostraram-se positivamente surpresos com as expectativas da SAP para 2002. Na bolsa, as ações da SAP chegaram a subir até 3% no correr do dia.

Links externos