1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Sanções russas podem impulsionar exportações agropecuárias brasileiras

Governo brasileiro já fala em "revolução" nas exportações de carne, milho e soja, e economistas avaliam que o Brasil tem condições de atender à nova demanda.

As restrições da Rússia à importação de alimentos e produtos provenientes de países que lhe impuseram sanções abrem portas para a expansão das exportações brasileiras para esse mercado. Logo após o anúncio, Moscou já demonstrou interesse pela carne produzida no Brasil.

Em Brasília, o secretário de política agrícola do Ministério da Agricultura, Seneri Paludo, disse que o embargo da Rússia abre "uma grande janela para o Brasil" entrar no mercado russo. "Do ponto de vista da política agrícola, é positivo", declarou. Paludo acrescentou que a Rússia é um grande consumidor não somente de grãos, mas também de carnes.

Ele falou em "revolução" nas exportações brasileiras de carne, milho e soja. O secretário também avaliou que essa decisão pode ter efeito parecido com a entrada da China na Organização Mundial do Comércio (OMC), em 2001, quando houve um "abalo sísmico" no mercado de commodities.

Para o economista Samy Dana, da Fundação Getúlio Vargas, as sanções russas podem de fato impulsionar as exportações brasileiras, além de ser uma chance de o Brasil ampliar a gama de produtos exportados para a Rússia.

"O Brasil tem que aproveitar essa oportunidade para ficar mais competitivo, porque as sanções não são para sempre. Então, além de ganhar competitividade, precisa aproveitar para ganhar o espaço, conseguindo ou diminuir preços – e como o Brasil geralmente exporta commodities, esse é o melhor caminho – ou diferenciar a qualidade, o que é mais difícil", avalia Dana.

Nesta quinta-feira (07/08), o ministro russo da Agricultura, Nikolai Fyodorov, anunciou que a proibição das importações de carnes bovina e suína, aves, peixes, produtos derivados do leite, vegetais e frutas provenientes da União Europeia, dos Estados Unidos, do Canadá, da Austrália e da Noruega já está em vigor.

A medida é válida por um ano. A lista de produtos não deve ser aumentada, mas pode ser reduzida. Fyodorov declarou que, para suprir a demanda por carnes, a Rússia deve aumentar as compras do Brasil.

Segundo a agência de notícias russa Itar-Tass, autoridades do país afirmaram que conversarão com representantes de Equador, Brasil, Chile e Argentina para elevar as importações de alimentos desses países.

Oportunidade de mercado

Em 2013, o Brasil foi o segundo maior fornecedor de alimentos para a Rússia, movimentando um volume de 2,41 bilhões de dólares. O país só perdeu para a Bielorrússia, que vendeu 2,74 bilhões de dólares. Os produtos mais exportados são carnes bovina e suína, além de açúcar. Atualmente, o Brasil é o maior fornecedor de carne para o mercado russo, seguido por países da América Latina e Estados Unidos.

Os países europeus que mais serão afetados pelas sanções russas são a Alemanha, o quarto país que mais vende alimentos para a Rússia, e a Holanda, que está em nono lugar nessa lista.

Em 2013, os países da União Europeia exportaram para a Rússia cerca de 15,9 bilhões de dólares em alimentos. O mercado russo corresponde a 10% das exportações europeias, sendo frutas, queijos e carne suína os produtos agrícolas mais exportados.

Segundo o economista Newton Marques, da Universidade de Brasília (UnB), o Brasil tem condições de atender à demanda russa por alimentos. "Sempre que houve sanções a determinadas importações de determinados produtos, o Brasil rapidamente consegue se adaptar ao mercado e passa a ocupar parte ou, às vezes, toda a parte daquele país que exportava", avalia.

Frango em alta

Uma oportunidade está em preencher o espaço deixado pelos Estados Unidos no fornecimento de frango para a Rússia. Carnes e aves são os produtos agrícolas mais exportados pelos americanos para os russos, que é o oitavo país na lista de exportação de alimentos para o mercado russo.

Segundo o vice-presidente de aves da Associação Brasileira de Proteína Animal (Abpa), Ricardo Santin, o setor está preparado para atender à demanda russa tanto em aves quanto em suínos. "Nós temos aqui, principalmente quando se fala em aves, uma elasticidade de produção que nos permite, num curto espaço de tempo, aumentar a produção para suprir situações emergenciais como essa sem prejudicar o mercado local ou outros destinos", reforça Santin.

Produtores brasileiros estão em condições de enviar ao mercado russo 150 mil toneladas a mais de frango por ano, declarou o presidente da Abpa, Francisco Turra.

Entretanto, o mercado interno brasileiro pode ser prejudicado com essa euforia nas exportações, caso a produção não aumente o suficiente para suprir ambas as demandas. Samy Dana alerta que isso pode até mesmo levar a uma elevação nos preços dos alimentos, impulsionando assim a inflação.

Mas Marques tem uma opinião diferente. "Eu acredito que não é o momento de ter uma superexposição ao mercado externo e prejudicar o mercado interno. Existe uma complementaridade que permite conciliar exportações e mercado doméstico sem provocar pressões nos preços internos", opina.

Leia mais