1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Salários atingem nível mais baixo dos últimos 20 anos na Alemanha

Poder aquisitivo dos trabalhadores alemães encontra-se no patamar mais baixo desde 1986, afirma jornal. Estatística esquenta o debate sobre a introdução de salário mínimo no país.

default

Loewenstein: 'Até 150 mil empregados da construção civil ganham menos do que o salário mínimo'

Um total de 15.845 euros é o que um trabalhador alemão com carteira assinada ganhou, em média, no ano passado, após descontar os impostos e as contribuições sociais e considerar a evolução do custo de vida.

Esse valor corresponde aproximadamente ao poder aquisitivo real de 1986, equivalente a 15.785 euros, registrado na então Alemanha Ocidental. É o que aponta uma estatística do Ministério alemão do Trabalho, divulgada pelo jornal Bild , de maior circulação no país.

Segundo o jornal, os descontos feitos na folha de pagamento atingiram um novo recorde em 2006. Em média, cada trabalhador teria pago 9.291 euros de impostos e contribuições sociais. Em 1986, esses descontos correspondiam a 5.607 euros.

O valor do salário bruto aumentou 48% no mesmo período, passando de 22.333 euros para 33.105 euros por ano. Por causa da inflação, porém, o trabalhador ficou com menos dinheiro no bolso. Enquanto os salários aumentaram 4,1% nos últimos cinco anos, a inflação subiu 7,1% no período.

O diretor do Instituto de Trabalho e Economia (IAW) da Universidade de Bremen, Rudolf Hickel, disse ao site Spiegel Online que essa queda do poder aquisitivo se deve ao corte de adicionais, como os abonos de férias e de Natal, realizado nos últimos anos.

Salário mínimo

Os dados publicados pelo Bild e citados por meios de comunicação da Alemanha esquentam o debate sobre a introdução de um salário mínimo no país. A Conferadação dos Sindicatos Alemães (DBG) defende um salário mínimo de 7,50 euros por hora, mas o governo de coalizão se opõe a um mínimo nacional e favorece a adoção de salários mínimos setoriais.

No último dia 17, o Ministério alemão do Trabalho sugeriu tornar obrigatório um salário mínimo para o setor eletrotécnico, que emprega cerca de 270 mil pessoas. O valor acertado em negociação com os sindicatos patronais e de trabalhadores foi de 7,70 euros para o Leste alemão e de 9,20 euros para o oeste do país.

Na semana passada, o governo federal aprovou uma proposta de salário mínimo de até 9,80 euros/hora para os funcionários dos correios, negociada entre a Deutsche Post e os sindicatos do setor de serviços Verdi. Segundo informações da mídia, a chanceler federal Angela Merkel estaria exigindo uma renegociação desse acordo para torná-lo viável também às concorrentes da Deutsche Post.

Na opinião do presidente da Federação Alemã da Indústria de Construção Civil, Hans-Hartwig Loewenstein, salários mínimos setoriais não necessariamente impedem o dumping salarial . "Até 150 mil empregados da construção civil ganham menos do que o salário mínimo", disse ao jornal Frankfurter Rundschau .

Com base numa lei nacional (Entsendegesetz), os operários da construção civil têm de receber, no mínimo, 8,90 euros/h no Leste alemão e 10,36 euros/h no resto do país. Segundo Loewenstein, "sem essa regra, viria ainda mais mão-de-obra barata do Leste Europeu para os canteiros de obras da Alemanha". (gh)

Leia mais