Saiba quais são as demandas do Hamas | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 20.08.2014
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Saiba quais são as demandas do Hamas

No controle da Faixa de Gaza, o grupo radical islâmico tem uma lista de dez revindicações para interromper os disparos contra Israel. Entenda quais são elas e como é a correlação de forças nos territórios palestinos.

default

O chefe do Hamas, Khaled Meshaal, e o presidente da Autoridade Palestina, Mahmud Abbas

Nas últimas semanas, o Hamas, as Brigadas Ezzedine al-Qassam (seu braço armado) e a Jihad Islâmica apresentaram dez condições aos mediadores egípcios para aceitar um armistício com Israel válido para os próximos dez anos:

1- Suspensão do bloqueio à Faixa de Gaza, território controlado pelo Hamas;

2- Retirada das Forças Armadas israelenses da Faixa de Gaza e permissão para que os agricultores palestinos possam usar suas terras até a fronteira com o território israelense;

3- Libertação definitiva dos palestinos que, inicialmente soltos após a troca pelo soldado israelense Gilad Schalit, acabaram presos novamente pouco depois;

4- Ampliação da zona de pesca;

5- Reconstrução do aeroporto e construção de um porto;

6- Controle internacional da zona de fronteira em Rafah (divisa entre Faixa de Gaza e Egito)

7- Aceitação, por parte de Israel, de um cessar-fogo também por dez anos e do fechamento do espaço aéreo para aviões israelenses sobre a Faixa de Gaza;

8- Permissão para que moradores da Faixa de Gaza possam ir a Jerusalém, para rezar na Mesquita de Al-Aqsa;

9- Fim das tentativas de Israel de tentar sabotar o pacto de reconciliação entre Hamas e a facção moderada Fatah;

10- Fim das operações militares de Israel na Cisjordânia, em Jerusalém Oriental e na Faixa de Gaza.

Para tentar superar os maiores obstáculos ao acordo, mediadores egípcios têm tentado chegar, como um primeiro passo, a um pacto menos denso, mas que possibilite o fim das hostilidades mútuas. O pacto deveria prever, ainda que de maneira limitada, a abertura das fronteiras de Gaza e uma expansão gradual da zona de pesca.

A importação de materiais de construção deveria ficar sob vigilância internacional. Pontos mais polêmicos e complicados – como a demanda do Hamas para construção de um porto e de um aeroporto, assim como a libertação de presos – deveriam ser discutidos mais para frente.

As facções palestinas

A luta dos palestinos pelo fim da presença israelense num território que consideram seu e pela criação de um Estado independente já dura décadas.

A partir dos Acordos de Oslo, em 1993, a comunidade internacional passou a ver também a solução de dois Estados – um palestino e um israelense – como a única saída para o conflito.

Nahostkonflikt Palästina Israel Zerstörung im Gazastreifen

O Hamas defende a suspensão do bloqueio israelense à Faixa de Gaza

Em abril deste ano, o moderado Fatah e o radical Hamas conseguiram superar suas diferenças e, em junho, formaram juntos um governo após uma cisão violenta que se estendeu por sete anos.

O atual governo israelense, chefiado por Benjamin Netanyahu, não reconhece a nova autoridade de unidade palestina, por ela incluir o Hamas, um grupo que considera terrorista.

Na década de 1980, a população era representada pela Organização pela Libertação da Palestina (OLP). E, entre 2007 e 2014, Fatah e Hamas passaram a se dividir no controle da Cisjordânia e da Faixa de Gaza, respectivamente.

Hamas e Brigadas Ezzedine al-Qassam: os militantes do Hamas e de seu braço armado, as Brigadas Ezzedine al-Qassam, defendem a resistência contra a Israel sob todas as formas, incluindo a resistência militar. As ideias vão de encontro ao que é defendido pelo presidente da Autoridade Palestina, Mahmud Abbas. Apesar de o braço político do Hamas, por algumas vezes, ter aceitado um cessar-fogo com Israel, seu braço armado quebrou o acordo sem avisar os líderes do grupo.

Jihad Islâmica e Brigadas Al-Quds: os integrantes da Jihad Islâmica e das Brigadas Al-Quds defendem a resistência armada e têm ficado cada vez mais populares, especialmente entre as populações jovens da Faixa de Gaza.

Fatah: o grupo também quer uma solução que envolva a solução de dois Estados e a suspensão do bloqueio à Faixa de Gaza. No entanto, sob a liderança de Abbas, a organização apoia incondicionalmente a atual proposta do Egito e tenta convencer o Hamas a concordar com ela. O Fatah ainda se diz disposto a aceitar um abrandamento do bloqueio à Gaza, e não apenas a suspensão. Após a Primeira Intifada, o grupo se afastou da guerra armada contra Israel e seguiu o caminho diplomático.

Leia mais