1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Saga de emigrantes no Brasil ganha maior prêmio do cinema alemão

"Die andere Heimat", de Edgar Reitz, recebeu Lola de Ouro e mais dois prêmios da Academia de Cinema em Berlim. Épico de quatro horas de duração tematiza emigração da região renana de Hunsrück para o Rio Grande do Sul.

Die andere Heimat– Chronik einer Sehnsucht (A outra pátria – Crônica de um desejo, em tradução livre) foi anunciado nesta sexta-feira (09/05) como grande vencedor do Prêmio Alemão de Cinema. Além do Lola de Ouro como melhor filme, a produção dirigida por Edgar Reitz, de 81 anos, levou, ainda, os troféus de melhor roteiro e melhor direção, na cerimônia em Berlim.

O épico em preto e branco, com quatro horas de duração, narra o êxodo dos habitantes da região de Hunsrück (no estado de Renânia-Palatinado) para o Rio Grande do Sul, no século 19.

Deutscher Filmpreis 2014 Edgar Reitz

Diretor Edgar Reitz recebe o Lola de Ouro

No vilarejo fictício de Schabbach, os irmãos Jakob e Gustav Simon reconhecem que somente o sonho pode salvá-los de sua triste realidade. Jakob, o mais novo, deixa para trás os limites impostos a um jovem camponês, lê todos os livros que lhe caem nas mãos, aprende a língua dos índios e faz planos de aventuras românticas nas florestas brasileiras. Ele sonha com o recomeço numa nova pátria, porém os golpes do destino dificultam a realização de seu sonho.

Como uma espécie de prequel, o filme – apresentado no 70º Festival de Veneza e no Festival Internacional de Cinema do Rio de Janeiro – complementa a trilogia Heimat ("pátria" ou "terra natal"). A série televisiva de três temporadas, realizada entre 1984 e 2004, rendeu ao diretor e roteirista Reitz elogios da crítica e do público alemão.

Assim como as demais partes do épico histórico, Die andere Heimat cativa pela observação detalhada e pela poesia. Por meio de grandes imagens de época, narra o êxodo dos camponeses e artesãos alemães para o Novo Mundo e documenta como as dificuldades econômicas expulsaram centenas de milhares de sua terra natal. Ao mesmo tempo, mostra como educação e leitura dão asas à imaginação e ao desejo de conhecer outras realidades.

Prata, bronze e Schtonk!

Concedido desde 1951 pela Academia Alemã de Cinema, o Deutscher Filmpreis, apelidado de Lola, é a mais importante distinção do ramo no país. Ele é também o prêmio cultural mais bem dotado, perfazendo um total de quase 3 milhões de euros.

Nesta 64ª edição, o Lola de Prata foi para Das finstere Tal (O vale escuro), de Andreas Prochaska, que arrebatou oito premiações, ao todo, incluindo melhor fotografia, som e design de produção. Situado no século 19, trata-se de uma espécie de western, enfocando um jovem peregrino recém-chegado a uma aldeia nos Alpes onde mortes misteriosas ocorrem.

Film ZWEI LEBEN

Juliane Köhler e Liv Ullmann em "Duas vidas"

O Lola de Bronze da noite foi para Zwei Leben (Duas vidas). Na produção teuto-norueguesa dirigida por Georg Maas, a protagonista Katrine leva uma vida familiar despreocupada, até que seu passado a alcança. Filha de um oficial militar do Terceiro Reich e de uma norueguesa, a ex-agente do Stasi (serviço secreto da Alemanha comunista) é solicitada por um advogado alemão a ajudá-lo na investigação de crimes de guerra nazistas. O elenco inclui a famosa atriz sueca Liv Ullmann.

Na cerimônia de gala no Tempodrom de Berlim foi também laureado, pelo conjunto de sua obra, o diretor, produtor e roteirista Helmut Dietl, nascido em 1944. No Brasil, ele ficou conhecido com a sátira hitleriana-midiática Os irresistíveis falsários (Schtonk!, de 1992).

AV/dpa/afp

Leia mais