1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Saída da Grécia da zona do euro pode reduzir nota de risco da Alemanha

Agência de classificação financeira Moody's alerta que saída da Grécia da zona do euro poderia baixar a nota de risco de países bem classificados na região, inclusive da Alemanha.

A eventual saída da Grécia da zona do euro poderá reduzir a nota de risco de países de toda a UE. Isto é o que indica a agência de classificação de risco Moody's, salientando que países de economias mais fortes, que contam hoje com nota "AAA", poderiam ter seus status reduzidos.

"Caso a Grécia deixasse a zona do euro, colocando em risco a existência da união monetária, a Moody's iria rever todas as classificações da região, incluindo a dos países com nota AAA", divulgou a agência.

Os países da zona do euro classificados como "AAA" são Áustria, França, Alemanha, Finlândia, Luxemburgo e Holanda. Conforme comunicado publicado no site da Moody's, o aumento da probabilidade de uma saída da Grécia prejudicaria investidores com ativos gregos.

Espanha em alto risco

"A saída da Grécia da zona do euro levaria a perdas substanciais para os investidores em títulos do tesouro do país, tanto em função da própria mudança de classificação, como pelo sério deslocamento macroeconômico que poderia ocorrer em conseqüência disso", divulgou a empresa.

A declaração da Moody's destaca eventos em série que poderiam significar uma "ameaça à existência do euro". A agência de Nova York também divulgou que um resgate de bancos espanhóis promovido pela zona do euro poderia forçar uma redução na nota da Espanha. Segundo a agência, o socorro desencadearia "todas as ações de rating necessárias para refletir o risco a que estariam submetidos os credores do governo espanhol".

Antes do final de semana, a agência de classificação de risco Fitch reduziu a nota de crédito da Espanha em três pontos. O Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou que o governo espanhol necessita de 40 bilhões de euros para apoiar os bancos do país.

Autor: MP, afp, dpa, dw
Revisão: Soraia Vilela

Leia mais