1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Síria terá eleição de cartas marcadas

Parlamento convoca eleição para junho, apesar da guerra que assola o país. Assad ainda não se candidatou, mas ninguém duvida que o atual governante será também o próximo.

default

Imagem simulando uma cédula eleitoral ironiza a eleição presidencial síria ao sugerir que há apenas um candidato

Cerca de 150 mil mortos, 6 milhões de refugiados internos e mais 2,6 milhões de pessoas que fugiram do país. Passados mais de três anos, esse é o triste saldo da guerra civil na Síria. Grande parte do país está em ruínas, a violência reina, as pessoas estão traumatizadas.

Apesar dessa situação catastrófica, o porta-voz do Parlamento, Mohammad Jihad al-Laham, anunciou nesta segunda-feira (21/04) a realização de uma eleição presidencial no próximo dia 3 de junho. "Conclamo todos os cidadãos da República Árabe da Síria a fazer uso do seu direito de voto. Peço a todos que quiserem se candidatar ao cargo de presidente sírio que se inscrevam até 1° de maio."

Depois do anúncio, não faltaram críticas. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e o encarregado da ONU e da Liga Árabe para a Síria, Lakhdar Brahimi, apelaram ao regime para rever o plano, que poderá fechar o último caminho para uma solução diplomática.

Para o deputado do Partido Verde alemão Omid Nouripour, a eleição enterra a chance de se formar um governo de transição. A oposição exige a renúncia de Assad e a formação de um governo interino. O Departamento de Estado dos EUA chamou a eleição de "paródia de democracia".

Oposição no exílio está fora

Bashar al-Assad Syrien Präsident Damaskus

Candidatura e vitória de Assad são tidas como certas

Uma nova candidatura do presidente Bashar al-Assad é dada como certa, mesmo que ela ainda não tenha sido confirmada. Não há dúvidas de que ele será o vencedor da eleição, porque o Parlamento lançou as bases para a sua reeleição já em meados de março, ao aprovar uma lei eleitoral que exclui a oposição no exílio.

Segundo a legislação, os candidatos devem ter vivido na Síria nos últimos dez anos. Devido à repressão estatal, no entanto, muitos oposicionistas tiveram de deixar o país já há muito tempo. Este será o terceiro mandato de Assad. Em 2000, ele subiu ao poder após a morte do pai, Hafez al-Assad.

A oposição síria afirma que a eleição não pode ser levada a sério e questiona qual "ator" Assad colocará no papel de adversário, como comenta Monzer Akbik, representante da Coalizão Nacional Síria da Oposição e das Forças Revolucionárias. "Assad não tem nenhuma legitimidade para governar o país, e ele também não vai tê-la após esta encenação de eleição."

Eleição em meio à guerra

Ainda não se sabe como será a realização de uma eleição num país devastado pela guerra ou como os 6 milhões de refugiados internos poderão votar. De acordo com Al-Laham, os sírios que vivem no exterior poderão votar nas embaixadas no dia 28 de maio. Em alguns países, no entanto, embaixadas sírias foram fechadas devido à guerra. Assim, nem todos os sírios poderão votar.

Schweiz Syrien Konferenz in Genf Murhaf Monzer Akbik

Oposicionista Akbik diz que não leva a sério a eleição

No próprio país, especula-se que a eleição será realizada somente nos bastiões do governo. "Assad quer ser reeleito pela população que vive em suas áreas de domínio", comenta o especialista Volker Perthes, do Instituto Alemão de Relações Internacionais e de Segurança (SWP).

Segundo ele, o eixo estratégico rumo à costa do país é particularmente importante para Assad. Embora o território sírio esteja dividido, o presidente controla as cidades mais populosas na linha entre Damasco e a costa, incluindo algumas partes de Aleppo.

Iniciativa deve vir de fora

No Twitter já circulam as primeiras imagens de cartazes eleitorais, nas quais Assad aparece sob o slogan "De mãos dadas para a reconstrução da Síria". Mas a oposição também se expressa. Através da hashtag #AssadCampaignSlogan, usuários dão voz à sua indignação e promovem slogans eleitorais irônicos. "Porque a liberdade é algo superestimado", escreveu um usuário. "Vote em mim ou eu te mato", registrou outro.

Para Perthes, "quem realiza uma eleição agora divide ainda mais o país e não tenta uni-lo." Segundo o especialista do SWP, a eleição é um sinal para a oposição de que nada vai mudar e de que Assad não vai abdicar de seu posto. "Também é um sinal às Nações Unidas de que Assad e seu regime não estão dispostos a aceitar um processo de transição sério."

Para ele, nenhuma das partes pode ganhar a guerra – o país só poderá ser unido através da partilha de poder. Mas essa iniciativa jamais virá do regime, comenta Perthes. "A diplomacia só vai funcionar quando houver um entendimento entre a Arábia Saudita, que apoia a oposição, e o Irã, que ampara o governo em Damasco", avalia o especialista em Oriente Médio.

Leia mais