1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Série de atentados marca 10º aniversário da Guerra do Iraque

Paralisia política, falta de infraestrutura e segurança frágil deixam país distante do modelo de democracia prometido por Bush quando, em 2003, iniciou um conflito que custaria 122 mil vidas e 1,7 trilhão de dólares.

Uma série de atentados deixou pelo menos 50 mortos nesta terça-feira (19/03) em Bagdá e arredores, numa espécie de lembrança de que o atual Iraque ainda tem pouco a ver com aquele modelo de democracia e segurança para o Oriente Médio prometido por George W. Bush há exatos dez anos, quando as tropas americanas invadiram o país.

Uma década, 122 mil mortos e 1,7 trilhão de dólares (gastos pelos EUA) depois, o Iraque não é nem aquele Estado falido ao qual os piores dias da guerra pareciam inevitavelmente conduzir, nem o modelo regional idealizado por Bush. O país se equilibra entre progresso e caos, enquanto coleciona uma série de problemas.

A questão da segurança ficou evidenciada nesta terça-feira, quando grande parte das mortes, ocorridas em sua maioria na capital, foi causada por carros-bomba. Quase um quinto dos 33 milhões de iraquianos vive em Bagdá. E, apesar de a capital continuar cercada por vários complexos de segurança e barreiras militares, seus moradores ainda são obrigados a conviver frequentemente com atentados.

Bildergalerie Irak 10 Jahre nach der US-Invasion

Dois jovens iraquianos num dos bairros mais pobres de Bagdá: falta de infraestrutura mina progresso do país

Corrupção e pobreza

Mas segurança não é o único problema. Mesmo com os bilhões investidos pelos EUA na reconstrução, o iraquiano ainda tem que lidar com falta de infraestrutura básica, corrupção, alto nível de pobreza e desemprego crescente.

O país que antes se orgulhava de ter a primeira premiê e a primeira juíza do Oriente Médio viu, por exemplo, a taxa de alfabetização feminina cair de quase 100% nos anos 1970 aos 40% atuais – queda, em grande parte, fruto de uma década de guerra.

Os dez anos de conflito levaram também a um êxodo de refugiados em massa. Segundo relatório de 2012, muitos estão retornando em virtude da crise na Síria, mas estima-se que ainda haja 1,2 milhão de iraquianos deslocados de guerra.

"Estamos esperando que vire realidade um sonho de mudança e de construir um Estado estável, baseado na lei, nas instituições e nos órgãos constitucionais", disse Yawad al-Bolany, ministro do Interior do Iraque entre 2006 e 2010. "Algumas dessas esperanças foram cumpridas, mas muitas ainda precisam de uma visão nova, com uma mente aberta."

Eleições adiadas

O atual modelo político foi construído às pressas, devido às frágeis condições durante a guerra. A maioria das forças partidárias tem sua origem em blocos sectários ou étnicos – ou seja, a maioria xiita ou as minorias de sunitas e curdos. O empate virtual nas últimas eleições forçou a formação de um gabinete de unidade nacional, que acabou jogando o país na completa inércia política.

Nesta terça-feira, o Gabinete decidiu adiar para daqui a seis meses as eleições nas províncias de Anbar e Ninevah, marcadas inicialmente para abril. Ambas as províncias são dominadas pelos sunitas e vivem momento de especial instabilidade devido aos protestos, que já duram três meses, contra o governo liderado pelos xiitas.

Bildergalerie Irak 10 Jahre nach der US-Invasion

Uma das várias barreiras militares espalhadas pela capital iraquiana

"A comunidade sunita se sente excluída. Alguns setores a comparam ao partido Baath, de Saddam Hussein, para afastá-la do comando do país", disse o presidente do parlamento, Osama al-Nujayfi, sunita de mais alto cargo político no Estado. "O premiê é responsável por isso. Os manifestantes pedem que os deixem participar do governo."

As manifestações têm sido organizadas semanalmente para pedir o fim das detenções arbitrárias e a anulação das leis antiterroristas que, segundo os sunitas, os afetam de forma injusta. Até agora, o premiê Nouri al-Maliki conseguiu contornar os protestos, mas os temores são de que eles possam acabar levando o país à guerra civil, dez anos após a invasão norte-americana.

RPR/ap/rtr/dpa/afp

Leia mais