Romance de escritor argelino retrata nazismo no mundo árabe | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 09.06.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Romance de escritor argelino retrata nazismo no mundo árabe

Na maioria dos países árabes, não houve um debate crítico aberto sobre o nazismo e o Holocausto. Em seu livro "O vilarejo do alemão", o autor argelino Boualem Sansal alia o fato ao estabelecimento do islamismo radical.

default

Boualem Sansal pede que árabes debatam o Holocausto

Ocasionalmente, alemães em viagem pelo Cairo ou por Damasco são cumprimentados pelo fato de terem tido Adolf Hitler, enquanto é negado o assassinato de milhões de judeus e não judeus. Na maioria dos casos, atrás dessas declarações não se encontra má intenção, mas insegurança e desconhecimento.

Até o momento, somente poucos intelectuais árabes ousaram tratar abertamente desse tema que se tornou um tabu. Entre esses intelectuais, está o romancista argelino Boualem Sansal, que traz uma mensagem bem clara em seu último romance Le Village de l'Allemand (O vilarejo do alemão, 2008).

Para Sansal, a falta de discussão, nos países árabes, sobre o Holocausto e sobre o totalitarismo do século 20 ajudou àqueles que querem instaurar um regime totalitário: os islamitas radicais. Até agora, seu livro não pode ser vendido na Argélia. Boualem Sansal está em tour pela Alemanha para apresentar a tradução do seu romance para o alemão Das Dorf des Deutschen.

Imagem distorcida

O escritor argelino vive em Boumerdès, próximo à capital, Argel. Como em todo o país, há guindastes por todos os lados. Em entrevista à Deutsche Welle, Sansal explicou que devido aos preços do petróleo e do gás natural, a economia da Argélia se recuperou, nos últimos anos. Para muitos argelinos, no entanto, o bem-estar proveniente do petróleo ainda não chegou, criticou o escritor.

Zweiter Weltkrieg - Afrikafeldzug, Tobruk

Nazistas na África: alguns voltaram após 1945

Segundo Sansal, o presidente argelino, Abdelaziz Bouteflika, teria conseguido mostrar para o exterior a imagem de um país em plena expansão econômica. "Mas, internamente, a situação é bem diferente. Bouteflika está a caminho de instalar uma ampla ditadura, como é o caso da Tunísia. Não existe mais liberdade política. Ao mesmo tempo, o nível de desemprego ainda é muito alto e somente uma pequena classe lucra com o desenvolvimento econômico, enquanto drogas, prostituição e criminalidade em geral estão em expansão", explicou.

Boualem Sansal é um escritor tardio. Somente aos 50 anos de idade, em 1999, ele publicou seu primeiro romance. Seguiram-se então quatro outros romances, oito novelas e alguns livros de não ficção. Devido às duras críticas à classe política argelina, seus livros são em parte proibidos, como também seu último romance.

Passado paterno

O personagem principal do romance é um nazista alemão chamado Hans Schiller, que teve participação nos assassinatos em massa de Auschwitz e que, através de caminhos tortuosos, acabou entrando no Exército de Libertação Nacional da Argélia após 1945. Como criminoso de guerra internacionalmente procurado, Schiller se estabeleceu e constituiu família na Argélia. Seus dois filhos, que nada sabiam sobre o passado do pai, foram enviados cedo para a França.

Somente quando o velho nazista e sua esposa argelina morrem em um atentado terrorista na Argélia, nos anos de 1990, a verdade vem lentamente à tona. Um dos filhos volta à Argélia para procurar pistas. No jazigo dos pais, todavia, ele encontra mais perguntas do que respostas.

No romance, o filho se pergunta: "As autoridades sabiam do passado de papai? (...) Eu poderia jurar que os pequenos manda-chuvas de hoje nada sabem, ele foram instruídos sob o culto da mentira e sob a disciplina do esquecimento..."

Nazistas na Legião Francesa

O romance trata de mitos primordiais e de tabus enraizados na sociedade argelina. A imagem ideal de um Exército de Libertação Nacional (ELN) esquerdista, antifascista e íntegro não deve, na medida do possível, ser manchada.

Está claro que também nas fileiras do ELN houve mortes e torturas. Em casos isolados, foram recrutados antigos nazistas para missões especiais ou como instrutores, caso não houvesse outros à disposição. Um debate aberto sobre o lado obscuro do passado não foi, até agora, desejado, criticou Boualem Sansal.

Desta história faz também o fato de, na Argélia, nazistas terem lutado na Legião Estrangeira ao lado da França, contra os argelinos. Para Boualem Sansal, não se trata de denegrir de forma geral o movimento de libertação argelino como simpatizante do nazismo.

O escritor exige, no entanto, que seus conterrâneos e os árabes comecem, finalmente, a se ocupar do Holocausto, que eles se perguntem por que diversos criminosos nazistas do alto escalão encontraram refúgio em países árabes, em vez de receberem a merecida condenação.

Boualem Sansal é da opinião que, somente quando essas questões forem discutidas abertamente, se poderá enfrentar de forma eficaz a ameaça proveniente de novas formas de totalitarismo.

Autora: Martina Sabra

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais