Revista feminina ″Brigitte″ deixará de empregar modelos supermagras | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 07.10.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Revista feminina "Brigitte" deixará de empregar modelos supermagras

Maior magazine para mulheres da Alemanha, "Brigitte" anunciou que a partir do próximo ano não mais contratará profissionais "manequim zero". Espaço para modelos leigas, na luta contra ideais inalcançáveis de beleza.

default

'Brigitte' é a mais popular revista feminina da Alemanha

Brigitte, a mais vendida revista feminina da Alemanha, decidiu não apresentar mais ideais de magreza em suas fotos. Os redatores-chefes da revista, Andreas Lebert e Brigitte Huber, revelaram que a partir de 2010 não vão apresentar seus programas de moda, cosméticos e fitness com modelos profissionais, mas sim com mulheres que se encontram "no meio da vida".

Em seu site, o magazine convida as leitoras a se candidatarem como modelo. "Fazemos uma revista para mulheres como elas são, e não como os outros gostariam que fossem", reforçam. "Queremos mostrar mulheres que têm uma identidade, a estudante de 18 anos, a executiva, a musicista, a jogadora de futebol." Gente famosa e completas desconhecidas devem se alternar nas sequências de fotos de Brigitte.

Tendência de mudança

Andreas Lebert Chefredakteur der Zeitschrift Brigitte

Andreas Lebert, redator-chefe de 'Brigitte'

Os redatores-chefes insistem que, com a decisão de barrar as modelos "manequim zero" e suas agências de marketing, desejam dar um sinal, mas não declarar guerra ao setor. Segundo Lebert, existe no ramo da moda um grande mal-estar, mas sempre se empurra a responsabilidade de um lado para o outro. "Talvez um veículo deva dizer: nós nos decidimos por um tipo de apresentação. Queríamos estabelecer uma certa clareza para nós mesmos."

Mas os eventos internacionais de moda também já começaram a luta contra profissionais ultradelgadas. Antes da Fashion Week Berlin do ano passado, quatro grandes associações de moda se comprometeram a não mais contratar modelos magérrimas para desfiles e fotos de publicidade.

Em Madri, em 2008 uma modelo foi excluída de uma apresentação por estar abaixo do peso mínimo. E a semana da moda de Londres iniciou recentemente uma campanha para trazer mais feminilidade – mais contornos, manequins diversos, todas as idades – de volta à passarela da alta-costura.

"Hoje em dia, a atratividade tem muitas caras", afirma Brigitte Huber. Acabou-se a ditadura dos figurinistas, pois primeiras-damas como Carla Bruni e Michelle Obama definem a moda da mesma forma que desportistas, estudantes ou "mulheres das ruas das metrópoles".

Estratégia de marketing?

Zeitschrift Brigitte

Apostando na mulher comum

Quebras de vendas e crise no setor publicitário obrigam os editores a inovar. No terceiro trimestre de 2009, Brigitte vendeu cerca de 720 mil exemplares, contra 757 mil no mesmo período do ano anterior. No entanto, Andreas Lebert afirma que a decisão de usar modelos leigas não é uma medida de economia. Uma vez que serão pagos cachês "comparáveis" aos das profissionais, trata-se, antes, de um investimento.

Louisa von Minckwitz, proprietária de uma agência de modelos fotográficos com sedes em Munique e Hamburgo, vê a inovação com ceticismo. Ela crê tratar-se de uma nova ideia de marketing da revista de moda, e que no futuro esta voltará a trabalhar com modelos profissionais que não sejam magras demais.

Profissionais da fotografia também criticaram a imposição de que trabalhem com amadoras. O redator-chefe Lebert admite que lidar com mulheres sem experiência de câmera exige mais tempo e mais esforço, porém: "Precisamos abandonar os caminhos já gastos". Uma profissional comentou à revista Der Spiegel: "Como fotógrafa, posso dizer, é horrível".

MN/ap/dpa
Revisão: Augusto Valente

Leia mais