Revisão do orçamento intensifica crise da UE | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 08.06.2005
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Revisão do orçamento intensifica crise da UE

Mal recuperada do choque da rejeição franco-holandesa à Constituição, a UE enfrenta uma nova crise: o impasse entre contribuintes e Bruxelas pode ameaçar a revisão orçamentária do bloco para o período de 2007 a 2013.

default

Juncker: esforço extraordinário rumo a um consenso

O atual presidente do Conselho Europeu, Jean-Claude Juncker, tem pouco menos de uma semana para realizar um pequeno milagre que ajude a tirar a União Européia da pior crise desde sua criação em 1957 – afinal, como se não bastasse a negativa dos franceses e holandeses à Constituição européia, aumenta o impasse entre os contribuintes e as ambições de Bruxelas.

Até o próximo domingo (12/06), quando chefes de Estado e governo dos países-membros se reunirão para definir o orçamento do bloco para o período de 2007 a 2013, Juncker se reunirá com cada um dos líderes nacionais. No entanto, sem garantias de sucesso.

Enquanto os seis maiores contribuintes líquidos – Alemanha, Áustria, França, Grã-Bretanha, Holanda e Suécia – exigem que sua contribuição aos cofres comunitários seja limitada a 1% do Produto Interno Bruto (PIB) do bloco, os demais países pleiteiam sua elevação para 1,24%, proposta defendida pela Comissão Européia.

EU Finanzminister Treffen in Brüssel

Jean-Claude Juncker (d) e Hans Eichel (c) em encontro de ministros das Finanças da UE

O Parlamento Europeu em Estrasburgo, por sua vez, apresentou uma proposta de aumento da contribuição para 1,18%. Mas a solução encontrada pela presidência luxemburguesa, que se esforçou para encontrar um meio-termo, fixaria as contribuições em 1,06% do PIB.

Segundo Juncker, diante da crise política provocada pela recusa franco-holandesa à Constituição, um consenso na questão orçamentária seria um sinal positivo e uma prova de força política e capacidade de ação da UE.

Londres permanece inflexível

Também no centro da discussão está o benefício concedido à Grã-Bretanha em 1984 durante o governo Thatcher. O desconto, que tem como conseqüência prática a restituição ao país de dois terços do valor total de sua contribuição líquida, só pode ser cancelado com a permissão do próprio Reino Unido.

Luxemburgo sugeriu que o benefício à Grã-Bretanha fosse congelado em 4,6 bilhões de euros ao ano, a média do total obtido pelos britânicos desde seu ingresso à comunidade há 20 anos. Do contrário, esse valor poderia chegar a até oito bilhões de euros nos próximos anos.

Brown and Blair

Gordon Brown (e) ao lado do premiê Tony Blair

Mas Londres já advertiu que não está disposta a negociar. Segundo o ministro britânico de Economia e Finanças, Gordon Brown, "nossa posição não mudou. Nós utilizaremos nosso direito de veto, caso seja necessário, para fazer valer a posição britânica".

A Alemanha, que transfere anualmente cerca de sete bilhões de euros aos cofres de Bruxelas, reivindica a redução das contribuições. "Como eu poderia explicar aos contribuintes alemães que ocupamos a 11ª posição na escala de bem-estar e a terceira posição na lista de contribuintes", argumentou o ministro alemão das Finanças, Hans Eichel. Apenas neste último ano, o ministério alemão das Finanças registrou um déficit de caixa entre 10 e 12 bilhões de euros.

Itália viola Pacto de Estabilidade

A Comissão Européia apresentou ao Parlamento em Estrasburgo um relatório sobre a situação orçamentária da Itália, que violou novamente o déficit máximo de 3% do PIB estabelecido pelo Pacto de Estabilidade da UE. Trata-se do primeiro passo na abertura de um procedimento por déficit excessivo.

A Itália ultrapassou o limite permitido nos últimos dois anos e a Comissão acredita que o mesmo acontecerá nos próximos dois anos. Atualmente, correm processos contra dez países. Após um encontro nesta segunda-feira (06/06), o comissário da UE para assuntos Econômicos e Monetários, Joaquin Almunia, assegurou que a Itália e a UE estão 90% de acordo. Anteriormente, o país havia ameaçado vetar o novo projeto orçamentário, caso sofresse redução dos fundos estruturais.

Leia mais