Revés para o todo poderoso Espaguete | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 15.04.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Revés para o todo poderoso Espaguete

Tribunal do leste da Alemanha proíbe colocação de placas públicas com os horários de cultos da Igreja do Monstro de Espaguete Voador, por não considerá-la uma comunidade religiosa. Líder vai recorrer.

default

O irmão Spaghettus, como é conhecido Rüdiger Weida, chefe da Igreja do Monstro de Espaguete Voador na Alemanha

Um tribunal de Frankfurt do Oder, no leste da Alemanha, decidiu nesta semana que a Igreja do Monstro de Espaguete Voador não tem o direito de colocar avisos públicos na entrada da cidade de Templin, no estado de Brandemburgo. Nas placas estariam informações sobre o horário dos seus serviços. Ela ficaria ao lado das placas com os horários de cultos e missas das igrejas protestante e católica locais, o que é praxe na Alemanha.

O tribunal decidiu que o governo do estado de Brandemburgo agiu de forma legítima ao anular um acordo verbal feito entre o irmão Spaghettus, como é conhecido Rüdiger Weida, chefe da Igreja do Monstro de Espaguete Voador na Alemanha, o prefeito de Templin, Detlef Tabbert, e a secretaria estadual de Transportes, em dezembro de 2014. O acordo permitia a instalação de quatro placas. Em tribunal, a representante da secretaria dos Transportes afirmou ter sido uma concessão provisória até o esclarecimento legal da situação.

Questionado pela DW, Weida disse que vai apelar em uma corte superior. O representante da crença, que responde a todas as perguntas com enorme seriedade, se disse desapontado com a forma como o tribunal tratou o caso: "Nossa impressão é que o juiz não tinha o mínimo interesse em se engajar no mérito da causa, e a desconsiderou como se fosse uma formalidade", disse.

Segundo a Secretaria da Infraestrutura de Brandemburgo, a questão é esclarecer se o grupo é um grupo religioso ou não, disse o porta-voz Steffen Streu. "No que concerne a sinais de trânsito, as regras são claras: comunidades religiosas reconhecidas como tal têm a permissão de usá-las", explica.

"Novo criacionismo"

A teoria do Monstro de Espaguete Voador nasceu no estado americano do Kansas, em 2005, quando Bobby Henderson escreveu uma carta aberta ao conselho estadual de educação, após a decisão de que a disciplina chamada design inteligente seria ensinada como alternativa à teoria da evolução no currículo escolar.

Placa com horário da Missa do espaguete terá de ser retirada

Placa com horário da "Missa do espaguete" terá de ser retirada

Henderson argumenta não ser justo permitir que as escolas ensinem apenas uma teoria criacionista e defendeu que ele e "muitos outros ao redor do mundo" acreditam que um monstro de espaguete voador criou o mundo.

Segundo ele, este monstro manipula qualquer evidência científica que o contradiga. Depois disso, o pastafarianismo (ou massafarianismo) se espalhou pelo mundo. A única representação na Alemanha fica em Templin, onde a cada sexta-feira Rüdiger Weida celebra uma "missa de espaguete" para sua congregação de cinco fieis.

"Nosso deus foi mais rápido que outros e concluiu a Terra antes, por isso já podemos descansar na sexta-feira. Consideramos uma forma de discriminação ter de trabalhar e mandar as crianças para a escola nas sextas-feiras", diz Weida.

Os serviços são semelhantes aos da Igreja Católica, ou seja, têm profissão da fé, há hinos e comunhão. "Mas nossa comunhão não consiste em carne e sangue, e sim em massas e um vulcão de cerveja", conta Weida. A igreja também tem relíquias, como uma bandeira de pirata. E, para serem reconhecidos, muitos membros usam escorredores de macarrão na cabeça.

Mas não fica por aí. "Nossa maior relíquia é um milagre múltiplo, uma garrafa fechada de rum branco que alguém trouxe para nosso encontro pirata", diz Weida. "O fato de simplesmente termos esquecido de bebê-la e de ela ter ficado fechada entre piratas é um milagre. O segundo milagre é que um pirata a trouxe no próximo encontro, e o terceiro, foi que ela continuou fechada. E assim vimos que isso foi um sinal de que ela nunca deverá ser aberta", conta.