1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Resultado de eleições regionais na Espanha fortalece Rajoy

Presidente do governo espanhol se tornou um dos poucos governantes europeus a resistir aos efeitos da crise nas urnas. No País Basco, entretanto, pleito reforça tendências separatistas.

A vitória do Partido Popular (PP) nas eleições autônomas da Galícia neste domingo (21/10) trouxe maior fôlego ao presidente do governo, Mariano Rajoy. A eleição é vista como aprovação popular às medidas de austeridade adotadas pelo governo em meio a grave crise que o país atravessa.

O PP galego obteve uma vitória bastante expressiva em sua região ampliando sua bancada de 38 para 41 deputados. “Não é comum que em meio a uma crise dessa proporções um governo receba uma apoio dessa magnitude”, declarou o líder do PP na Galícia, Alberto Nunes Feijó, durante as comemorações da vitória.

Segundo ele, esse resultado pode ser interpretado como uma amostra do sentimento em todo o país. “Essa vitória não seria possível se a população não tivesse de fato compreendido que o governo, apesar das dificuldades, tem agido de modo responsável”. Feijó renovou seu mandato por mais 4 anos.

Spanien Wahlkampf Galizien

Alberto Feijó, líder do PP na Galícia e provável sucessor de Rajoy

A Galícia é uma província autônoma de quase 2,8 milhões de habitantes, terra natal de Rajoy e uma das regiões tradicionalmente conservadoras na Espanha. O presidente do governo se tornou um dos poucos governantes europeus a resistir aos efeitos de uma crise durante um processo eleitoral, e a vitória qualifica Feijó como um dos prováveis sucessores de Rajoy.

Feijó foi um dos primeiros líderes regionais do PP a implementar as medidas de austeridade, assim como o governo federal tem feito em toda a Espanha desde que Rajoy assumiu, em dezembro de 2011.

Após uma série de cortes nos gastos públicos, o déficit na região está finalmente sob controle. No entanto, o desemprego na região aumentou de 12,4% em 2009 para 21,1%, a cifra mais alta de sua história recente – embora ainda menor do que a média nacional de 24.63%.

Ao formar uma coalizão com o Bloco Nacionalista de Esquerda (BNG), os socialistas (PSG-PSOE) tinham como objetivo evitar que o PP obtivesse a maioria absoluta, mas conseguiram eleger apenas 18 deputados, sete a menos do que nas eleições anteriores. O partido Alternativa Galega de Esquerda, parte dissidente do BNG, elegeu nove congressistas.

No País Basco, vitória dos separatistas

No norte da Espanha a história foi bem diferente. Nas primeiras eleições sem a presença do ETA, que há uma ano havia anunciado o fim definitivo de suas atividades extremistas, o parlamento será dominado por uma coalizão nacionalista-independentista.

Regionalwahlen in Spanien, Baskenland und Galizien

Votação na Galícia confirmou confiança no governo

O Partido Nacionalista Basco (PNV), elegeu 27 parlamentares, enquanto o EH Bildu, que costumava ser o braço político do ETA, elegeu 21. A coalizão PNV-EH Bildu soma 48 deputados de um total de 75. Os dois partidos têm como objetivo político a independência do País Basco. O PP perdeu três deputados, retrocedendo de 13, na última legislatura, para 10.

"É o início de uma nova era", afirmou o líder do PNV Iñigo Urkullu. “Pela primeira vez os bascos puderam eleger seus representantes em plenas condições democráticas, sem a sombra do ETA”. Urkullu será o novo chefe do governo na região.

A líder do EH Bildu, Laura Mintegi afirmou que “não iremos parar até conseguir uma País Basco livre, justo e solidário. De cada três parlamentares, dois são nacionalistas. É hora de começarmos a pensar como um país”. Ela propõe a realização de um amplo debate sobre o novo status político do País Basco a partir de 2015.

RC/dpa/afp
Revisão: Francis França