1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Resultado das eleições em Israel não mudará política da UE

Mesmo com uma eventual vitória do partido Kadima nas eleições israelenses, a União Européia deve manter sua política em relação a Israel, que prevê dois Estados com fronteiras seguras na região.

default

O líder do Kadima, Ehud Olmert, nas urnas

Os eleitores israelenses vão às urnas nesta terça-feira (28/03) para eleger o novo Parlamento (Knesset). O processo eleitoral está sendo observado pela União Européia (UE), o parceiro comercial mais importante daquele país do Oriente Médio.

Apesar da perda de apoio revelada em pesquisas de intenção de voto, o partido Kadima deve vencer as eleições. Esta vitória, no entanto, não deverá mudar a estratégia da UE com relação a Israel.

Devido às disputas sobre a retirada israelense da Faixa de Gaza, no final de 2005, o então primeiro-ministro Ariel Sharon saiu do partido Likud (conservador) e fundou o Kadima. O partido de centro-direita defende a desocupação de parte da Cisjordânia.

Symbolbild: Israelischer Abzug aus Gaza

A retirada dos territórios ocupados é a grande questão para os eleitores

Os motivos para a queda de prestígio do Kadima são o desinteresse do eleitorado e a falta de carisma do líder do partido, Ehud Olmert – que exatamente por isso se diferencia muito de Sharon, ainda em estado de coma. Para poder governar, Olmert terá que procurar alianças, provavelmente com o Partido Trabalhista, que deve ficar em segundo lugar nas eleições.

Pesquisas questionáveis

Analistas políticos da região alertam, porém, que o resultado das eleições ainda é incerto, pois nunca foi tão difícil realizar pesquisas de opinião no país, principalmente entre os jovens e as camadas mais pobres da população.

As pesquisas atuais foram feitas por telefone, mas a maioria dos jovens não tem linhas fixas. Além disso, muitas pessoas tiveram suas linhas cortadas por problemas de pagamento.

As questões mais importantes que vão determinar o voto de aproximadamente cinco milhões de eleitores são as relações com os palestinos, as questões de segurança e a desocupação dos territórios.

Embora seja visto, em primeira linha, como fonte de apoio financeiro para a reconstrução, o bloco europeu colocou-se à disposição para incentivar o diálogo de paz e a formação de dois Estados independentes na região. Europa e o Quarteto

Ao lado dos Estados Unidos, Rússia e Nações Unidas, a União Européia integra o Quarteto para o Oriente Médio, que negocia um plano de paz entre israelenses e palestinos. O encarregado da União Européia para assuntos de política externa, Javier Solana, é de opinião que a UE ganhou mais prestígio político no Oriente Médio nos últimos anos.

Isso foi confirmado pelo atual candidato do Kadima, Shimon Peres: "Em Israel houve tempos em que as pessoas não compreendiam muito bem o papel da Europa. Hoje, vêm que ela desempenha também o papel de formador político, assumindo tarefas que mais ninguém consegue resolver."

A União Européia pretende liberar 120 milhões de euros de ajuda para o Hamas, vencedor das eleições para a Autoridade Palestina. Mas, se o partido, incluído na lista de grupos terroristas, não reconhecer Israel e não renunciar à violência, a UE pode suspender o financiamento. Israel, por seu lado, recusa-se a negociar com o Hamas.

Consenso vigora, também, sobre o conflito nuclear com o Irã, em que a União Européia defende a mesma posição que os Estados Unidos. Estrategistas em Bruxelas não descartam uma espécie de filiação de Israel à UE, mesmo que que seja sem direito a voto.

Leia mais