1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Representantes afegãos elaboram acordo final

As quatro delegações afegãs, reunidas no palácio de Petersberg, em Bonn, estão elaborando um documento final para definir a composição e a atuação do governo de transição.

default

Burhanuddin Rabbani anunciou que aceitará a decisão da conferência de Petersberg

As negociações sobre o futuro político do Afeganistão prosseguem nesta segunda-feira, no palácio de Petersberg, em Bonn. Representantes das quatro delegações afegãs, que participam da conferência estão concentrados agora na elaboração do esboço de um acordo final que inclui a composição do planejado governo de transição.

A conclusão de tal acordo, entretanto, está sendo mais difícil do que o esperado. Observadores relataram sobre a dificuldade em reunir todas as ressalvas escritas à mão pelos participantes e traduzi-las nos três idiomas adotados como oficiais neste encontro: o inglês, dari e pachtun.

Apesar da morosidade, o documento final sobre a nova ordem política no Afeganistão é agora prioridade da conferência que já dura sete dias. "O trabalho de tradução é muito complicado e exige mais tempo que o previsto", confirmou o porta-voz da Organização das Nações Unidas, Ahmad Fausi.

Enquanto isso, o embaixador especial da ONU, Lakdar Brahimi, que coordena os debates, conversou novamente, na manhã desta segunda-feira, com os representantes das quatro delegações sobre a indicação dos membros que comporão a administração provisória.

A lista de nomes apresentada é bem maior do que o número estimado de pessoas que irão ocupar cargos no governo provisório. Por isso, os participantes da conferência terão agora que restringir ainda mais a lista e definir os ministérios, para que seja possível planejar a distribuição de funções. Fausi desmentiu os boatos de que as delegações teriam feito um acordo sobre a cota de cada etnia no futuro governo de transição.

Tão logo seja definido, o gabinete deverá assumir imediatamente o poder, que atualmente se encontra nas mãos da Aliança do Norte. As sete páginas do documento que servirá de base para a elaboração do acordo final prevê a criação de uma comissão independente, composta de 21 membros, para formação de uma assembléia, a tradicional Loya Jirga, reunindo representantes de todas as etnias.

A tarefa desta assembléia será, primeiramente, garantir que o processo de transição dure dois anos, conforme desejo da ONU. Outra incumbência será criar condições para a elaboração de uma constituição com garantia dos direitos humanos e reformas que permitam a realização de eleições livres.

Candidatos em potencial

Vários nomes estão cogitados para assumir a presidência interina do governo provisório do Afeganistão, que deverá ter 29 membros. Os mais cotados são o líder da etnia pachtun, Sajed Hamid Karsai, e o chefe da delegação do chamado grupo de Roma, ligado à monarquia, Abdul Sattar Sirat.

Karsai é considerado um político islâmico moderado. Ele estudou na Suíça e foi ministro no gabinete do rei Mohammed Zahir Schah, nos anos 70. Ao enviar sua mensagem aos participantes da conferência em Bonn, Karsai fez um apelo em prol da "irmandade e respeito mútuo entre os afegãos".

Enquanto Karsai tem o apoio dos Estados Unidos e desfruta de plena confiança por parte da ONU, Sirat tem o amparo da Aliança do Norte. Como seu concorrente, ele também integrou o governo afegão na década de 70. Sitar, inclusive, trabalhou na Alemanha como professor de Islamismo.

Rabbani não faz oposição

O atual presidente do Afeganistão, Burhanuddin Rabbani, reconhecido como tal pela ONU, anunciou nesta segunda-feira que não fará oposição à escolha do novo presidente do governo de transição. Segundo seu porta-voz, ele deixará que a decisão seja tomada pelos participantes da conferência em Bonn e garantiu que não faz qualquer objeção aos nomes que estão sendo cogitados para o cargo.

Ajuda alemã aos refugiados

O governo alemão pretende destinar 1,8 milhão de marcos (pouco mais de 900 mil euros) para a organização Planned Parenthood, com o intuito de apoiar os refugiados do Afeganistão.

O dinheiro será empregado em projetos envolvendo mães e crianças e também na criação e manutenção de postos de aconselhamento, segundo esclareceu um porta-voz do Ministério de Cooperação Econômica, nesta segunda-feira, em Berlim.

A organização, que conta com representantes no Paquistão e Irã, pretende criar programas sobre planejamento familiar e divulgação de métodos contraceptivos, além de montar centrais de atendimento médico no Afeganistão.