1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Relator endossa investigações contra Cunha no Conselho de Ética

Deputado Fausto Pinato protocola parecer preliminar três dias antes do prazo, justificando que, "em tese", a denúncia preenche todos os requisitos formais. Processo pede a cassação do mandato do presidente da Câmara.

O deputado Fausto Pinato, do PRB, é o relator do processo que pode cassar Eduardo Cunha.

O deputado Fausto Pinato, do PRB, é o relator do processo que pode cassar Eduardo Cunha.

O processo por quebra de decoro parlamentar contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), já dá seus primeiros passos no Conselho de Ética.

Nesta segunda-feira (16/11), o relator da ação, deputado Fausto Pinato (PRB-SP), protocolou um parecer liminar recomendando a continuidade das investigações contra Cunha.

O peemedebista é acusado de ter mentido em depoimento à CPI da Petrobras em março, quando negou ter contas bancárias no exterior não declaradas à Receita Federal. O

pedido de cassação de Cunha

foi feito pelo PSol e pela Rede em outubro.

Pinato tinha até 19 de novembro para apresentar seu parecer, mas disse que decidiu antecipá-lo por concluir que, "em tese", a denúncia preenche todos os requisitos formais para ser investigada, com indícios suficientes.

"O processo contra o presidente Eduardo Cunha deve ter seguimento por preencher todos os requisitos de admissibilidade", disse o relator, em entrevista coletiva na sala da Liderança do PRB. "Cheguei à minha conclusão convicto, com a consciência tranquila, e estou muito feliz por ter feito um trabalho sério e correto."

Segundo Pinato, "a denúncia da Procuradoria Geral da República, o depoimento de Júlio Camargo [lobista e delator na Operação Lava Jato] e a própria fala de Eduardo Cunha na CPI da Petrobras" trazem indícios suficientes para a investigação prosseguir no Conselho de Ética.

O relator afirmou que seu parecer foi embasado no artigo 4º do Código de Ética e Decoro Parlamentar, que condena tanto o recebimento de vantagens indevidas no exercício da atividade parlamentar como o ato de prestar informações falsas em declarações.

Ainda nesta segunda-feira, Pinato informou que protocolou um pedido de antecipação da reunião do conselho, agendada para o dia 24 de novembro. Nessa reunião, os integrantes do órgão devem analisar o relatório do deputado do PRB.

"O presidente [do Conselho de Ética, deputado José Carlos Araújo (PSD-BA)] está vindo para cá para tentar antecipar a reunião. A gente quer tentar apurar esse caso o mais rápido possível. Pelo Brasil e por todos nós", disse Pinato.

O que diz a defesa

Cunha, que nega ter cometido qualquer irregularidade, argumenta que o delator Júlio Camargo, que não havia citado o seu nome em depoimentos anteriores, foi pressionado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a mudar de versão para prejudicá-lo.

Além do processo no Conselho de Ética, Eduardo Cunha é alvo de denúncia da Operação Lava Jato.

Além do processo no Conselho de Ética, Eduardo Cunha é alvo de denúncia da Operação Lava Jato.

O peemedebista, que deve apresentar sua defesa formal ao Conselho de Ética ainda esta semana, diz que foi "escolhido" para ser investigado como parte de uma tentativa do governo de retaliar a sua atuação política.

Cunha afirmou que os recursos usufruídos por ele no exterior vêm de negócios de venda de carne no continente africano. Ele mostrou passaportes a líderes partidários para comprovar dezenas de viagens na década de 80 a países da África.

Próximos passos

Se o parecer preliminar for aprovado pelos membros do Conselho de Ética, Cunha tem dez dias para apresentar sua defesa. Em seguida, começa a fase das investigações.

Após analisar os documentos e ouvir as testemunhas, o relator deve entregar um relatório final – recomendando o arquivamento ou uma punição a Cunha –, que também será votado pelo conselho.

Aprovado, o processo segue para votação na Câmara. Para toda essa tramitação no conselho, o Código de Ética prevê um prazo de 90 dias úteis. Com isso, o processo deve chegar ao plenário somente no ano que vem.

EK/agência câmara/ots

Leia mais