1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Relatório pede "choque" para recuperar competitividade da economia francesa

Sugestões incluem desoneração de 30 bilhões de euros na folha de pagamentos e aumento na jornada de trabalho. FMI elogia ideias. Presidente Hollande promete "decisões difíceis" para esta terça-feira.

O presidente francês, François Hollande, prometeu nesta segunda-feira (05/11) "decisões difíceis", após um relatório recomendar um "choque" de 30 bilhões de euros na redução dos custos trabalhistas franceses para aumentar a competitividade industrial do país.

O documento, com 22 medidas, foi encomendado pelo governo francês a Louis Gallois, ex-presidente do consórcio aeroespacial e de defesa EADS, que controla a Airbus. "Amanhã, o governo vai tirar conclusões a partir do relatório Gallois e decisões difíceis serão tomadas", afirmou Hollande na capital do Laos, Vientiane, onde participa na cúpula União Europeia-Ásia.

O presidente francês ressaltou a necessidade de uma "política global" para melhorar a competitividade industrial da França, num período em que o país enfrenta desafios como sobrecarga nas finanças públicas, estagnação do crescimento econômico e deficit comercial.

"Pacto social"

Ao entregar o relatório ao primeiro-ministro francês, Jean-Marc Ayrault, Gallois disse que a França necessita de "uma espécie de pacto social entre todos os parceiros", acrescentando ser necessária uma redução drástica nos custos trabalhistas para alavancar a economia. "Os franceses devem fazer este esforço coletivo", disse ele, apelando para o "patriotismo".

Belgien EU Gipfel Finanzkrise Francois Hollande

Hollande promete tirar conclusões ainda esta semana

O estudo propõe uma desoneração de 20 bilhões de euros na folha de pagamento para os empregadores e de 10 bilhões de euros para os empregados, ao longo de dois ou três anos. Isso significaria transferir parte da carga fiscal para contribuintes e consumidores, através do aumento de taxas para financiamento do sistema de segurança social ou do aumento do imposto sobre o valor acrescentado (IVA), que recai sobre vendas de bens ou serviços. O relatório inclui, ainda, recomendações para aquecer as exportações, reduzir a burocracia e incentivar a pesquisa e a inovação.

FMI elogia relatório

O Fundo Monetário Internacional (FMI) avalia o relatório de Gallois como uma "oportunidade única para amplas reformas", acrescentando que a falta de competitividade é o maior desafio da economia francesa.

Ao divulgar seu próprio relatório sobre a economia francesa, o FMI ressaltou que a perda de competitividade é anterior à crise econômica que tomou conta de grande parte da Europa. O fundo alertou que os riscos poderão se tornar ainda mais graves, se a economia francesa não se adaptar, como fazem atualmente Itália e Espanha, que realizam reformas profundas em seus mercados de trabalho e setor de serviços.

A segunda maior potência industrial da UE tem perdido muito de sua competitividade nos últimos anos, especialmente em comparação com sua eterna rival, Alemanha. A participação da França no comércio global caiu quase pela metade desde 1990. Os custos horários de produção franceses estão hoje cerca de 20% acima da média da zona do euro, segundo o Departamento de Estatísticas da União Europeia (Eurostat). 

Taxa de desemprego de mais de 10%

As consequências dessa perda de competitividade ficam cada vez mais claras na atual crise. Desde outubro de 2011 não há crescimento econômico na França. A taxa de desemprego, de mais de 10%, é a mais alta dos últimos 13 anos.

EADS Louis Gallois

Loius Gallois sugere desoneração da folha de pagamentos

A França está sob severa observação das grandes agências de classificação de risco, já tendo perdido sua melhor nota na avaliação da Standard & Poors. Analistas aguardam uma decisão do governo para a difícil questão dos custos trabalhistas nas próximas semanas ou meses. 

Um assunto tabu continua sendo a famosa "semana de 35 horas" francesa. O primeiro-ministro francês, Jean-Marc Ayrault, assegurou no Parlamento que "enquanto a esquerda estiver no poder" tudo fica como está.

Indignados, representantes da indústria citam um estudo do instituto francês de pesquisas econômicas COE-Rexecode, segundo o qual os empregados franceses trabalham em média 1.679 horas por ano. A carga é menor do que em quase todos os outros países da UE. Na Alemanha, trabalha-se 225 horas a mais do que na França, o que equivale a cerca de seis semanas de trabalho por ano.

MD/afp/dpa/rtr
Revisão: Francis França

Leia mais