Reino Unido expulsa diplomatas de Kadafi e reconhece rebeldes | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 27.07.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Reino Unido expulsa diplomatas de Kadafi e reconhece rebeldes

Governo britânico deu três dias para que os diplomatas líbios deixem o país e anunciou que vai tratar o conselho dos rebeldes "como qualquer outro governo do mundo".

default

Hague anunciou recursos para os rebeldes líbios

O Reino Unido reconheceu nesta quarta-feira (27/06) o Conselho Nacional de Transição (CNT) como "único governo legítimo" do povo da Líbia e expulsou do país os diplomatas líbios fiéis ao regime de Muammar Kadafi, anunciou a diplomacia britânica.

"Convidamos o CNT a nomear um novo representante diplomático que assuma a chefia da embaixada líbia em Londres. Vamos tratar o CNT como tratamos qualquer outro governo do mundo", afirmou o ministro britânico do Exterior, William Hague, pouco depois do anúncio oficial do reconhecimento.

Antes desse anúncio, o embaixador de Kadafi em Londres havia sido chamado ao Ministério do Exterior e informado que ele e outros oito diplomatas têm três dias para abandonar o Reino Unido.

Hague disse ainda que o Reino Unido vai descongelar fundos do petróleo líbio no valor de 91 milhões de libras para ajudar os rebeldes líbios. O dinheiro será entregue ao CNT, uma forma de assegurar um "maior apoio prático" aos rebeldes, disse Hague.

Ataques da Otan

Um dia antes, a Otan havia advertido que vai bombardear qualquer posição civil, industrial ou agrícola na Líbia que seja utilizada para fins militares pelas forças leais a Kadafi. Isso inclui fábricas, armazéns ou qualquer outro prédio originalmente civil.

As forças da aliança militar atingiram recentemente uma fábrica de cimento, que era utilizada por soldados pró-Kadafi para disparar foguetes. A Otan destacou, porém, vai tomar "todas as precauções" antes de bombardear estes locais, de forma a evitar a morte de civis.

AS/lusa/dpa
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais