Reino Unido anuncia era de austeridade | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 25.05.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Reino Unido anuncia era de austeridade

Em tradicional discurso, rainha Elizabeth apresentou o programa do novo governo. Ministro das Finanças anuncia redução de gastos de mais de sete bilhões de euros, a fim de conter o déficit público.

default

Discurso real para anunciar regime de economia

Duas semanas após a posse do novo governo no Reino Unido, a rainha Elizabeth 2ª apresentou, em seu tradicional discurso, o programa da coalizão que governará o país. O equilíbrio do orçamento público é visto pelos conservadores, partido majoritário, sob os auspícios do premiê David Cameron, como "a prioridade máxima" do novo governo no momento.

Funcionários públicos e membros do governo terão que se acostumar a um novo ritmo. Segundo anunciou o ministro britânico das Finanças, George Osborne, nesta terça-feira (25/05), o pacote de medidas de contenção de gastos inclui cortes em programas de tecnologia e informação, bem como nas viagens de membros do governo.

Novos postos de trabalho no serviço público estarão suspensos até segunda ordem. Com todas essas medidas, o governo britânico pretende economizar nada menos que 7,17 bilhões de euros.

Primeira e não última

Großbritannien Finanzminister George Osborne

George Osborne, ministro britânico das Finanças

"É a primeira vez que esse governo informa sobre decisões difíceis a respeito dos gastos públicos", declarou Osborne, há apenas uma semana e meia no cargo. "E essa não será a última vez", completou o ministro.

A dívida pública do Reino Unido, país que não faz parte da zona do euro, correspondeu a 11,5% do PIB do país no último ano, de acordo com informações da Comissão Europeia. Segundo Osborne, é necessário discutir "o que ainda podemos nos dar o luxo de ter, no futuro". O ministro não quis entrar no mérito de um possível aumento tributário.

Ministros no metrô

A proposta do novo governo é que os funcionários públicos do alto escalão sejam um exemplo à população. Por isso, os ministros britânicos, a partir de agora, não terão mais carro oficial nem motorista à disposição, sendo convocados a se deslocarem para o trabalho de transporte público.

"Espera-se dos ministros que venham trabalhar a pé ou usando transporte público ou, sempre que possível, que façam uso de um pool coletivo de veículos", sugeriu David Laws, titular do Tesouro. O novo pacote econômico também prevê que os membros do governo evitem voos na primeira classe.

As medidas de contenção de gastos atingem também os organizadores dos Jogos Olímpicos, a serem realizados em 2012 em Londres. O orçamento dos organizadores sofreu um corte de 27 bilhões de libras esterlinas, um valor que corresponde, contudo, a apenas 2% do valor total do orçamento do governo para o evento. O ministro dos Esportes, Hugh Robertson, afirmou que os cortes não irão "colocar os Jogos em risco".

Limites para imigrantes de fora da UE

Großbritannien Wahlen David Cameron Konservative

Premiê David Cameron, líder dos conservadores

Além das medidas de austeridade, o governo britânico anunciou que pretende limitar o poder de Bruxelas, passando as sugestões da UE para aprovação no país através de plebiscitos.

Até o próximo discurso da rainha, em novembro de 2011, 22 novas leis deverão ser aprovadas no país, entre estas legislações que regulamentam reformas nos sistemas de saúde e de ensino, da estrutura policial e dos correios. Outro ponto do programa será uma limitação da imigração de países de fora da UE.

O Reino Unido tem, pela primeira vez na história do pós-guerra, um governo de coalizão composto por conservadores (Tories) e liberal-democratas.

SV/dpa/apn

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais