Rei da Jordânia substitui primeiro-ministro após protestos populares | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 01.02.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Rei da Jordânia substitui primeiro-ministro após protestos populares

Em meio a manifestações semelhantes às da Tunísia e do Egito, rei Abdullah 2º afasta primeiro-ministro e encarrega antigo militar de compor novo governo.

default

Bakhit ocupava chefia de governo desde novembro

O rei Abdullah 2º afastou nesta terça-feira (01/02) todo o gabinete de governo da Jordânia, liderado pelo primeiro-ministro Samir Rifai, e nomeou Maarouf Bakhit para o cargo, incumbindo-o de formar um novo governo e introduzir "verdadeiras reformas políticas". Bakhit, um antigo militar que foi embaixador na Turquia (2002) e em Israel (2005), é muito popular na Jordânia.

Segundo um comunicado do palácio real, o rei pediu a Bakhit, que havia sido primeiro-ministro entre 2005 e 2007, "que tome medidas rápidas e claras para reformas políticas reais que reflitam a nossa visão favorável a reformas gerais modernas em apoio da nossa ação pela democracia". Rifai estava no cargo desde novembro passado.

Oficialmente, o governo liderado por Rifai renunciou nesta terça-feira. A troca de comando ocorre após diversas manifestações populares, realizadas em janeiro, que exigiram a saída do primeiro-ministro e contestaram a política econômica do governo, alvo de críticas devido à elevação nos preços de combustíveis e alimentos.

A Frente de Ação Islâmica, principal partido da oposição na Jordânia, criticou a nomeação de Bakhit, considerando que ele não é um reformista. Na segunda-feira, a FAI anunciara que a oposição não exige uma mudança de regime no reino, como ocorre no Egito, mas sim reformas políticas.

A mudança no governo da Jordânia ocorre num contexto de protestos populares similares aos da Tunísia e do Egito. Também na Síria estão previstas manifestações neste sábado, convocadas pela oposição.

AS/lusa/afp/dpa
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais