1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Rei apoia militares golpistas na Tailândia

Junta diz que ficará no poder por tempo indeterminado, promete usar a força para conter protestos, se necessário, e garante que levará a tribunal militar cidadãos que cometerem crime de lesa-majestade.

default

O general do Exército Prayuth Chan-ocha, ao lado da junta, anunciou ter apoio do rei

O rei Bhumibol Adulyadej deu nesta segunda-feira (26/05) seu apoio à junta militar responsável, na semana passada, pelo 12º golpe de Estado desde o estabelecimento da democracia na Tailândia, em 1932.

O anúncio foi feito pelo general do Exército Prayuth Chan-ocha, que esteve à frente do golpe. Ele disse que o chamado Conselho Nacional para a Paz e a Ordem – como os militares nomearam a junta – ficará no poder "indefinidamente", até que uma "democracia genuína" esteja estabelecida.

"Não estou aqui para lutar, e sim para consertar a crise. Mas farei o que for necessário", disse o general, que ameaçou usar a força se preciso. "Vamos voltar para onde estávamos? Se quiserem fazer isso, vou ter que usar a força e impor a lei rigorosamente."

Desde o golpe do último dia 22 de maio, o rei não é visto em público. Protegido pela lei e pela tradição, o monarca vinha se mantendo à margem da crise. Na Tailândia, insultar o rei ou qualquer membro da família real é crime punível com até 15 anos de prisão. Nesta segunda-feira, a junta golpista reiterou que qualquer delito de lesa-majestade será julgado por cortes militares.

A junta militar decidiu intervir após quase sete meses de protestos, nos quais morreram 28 pessoas e cerca de 800 outras ficaram feridas, e ante o risco de violência entre opositores e partidários do governo deposto.

A crise tailandesa teve início com o golpe de 2006, contra o então primeiro-ministro Thaksin Shinawatra. Hoje, ele vive no exílio nos Emirados Árabes para evitar uma condenação de dois anos de prisão por corrupção.

Thaksin, irmão de Yingluck Shinawatra – ex-primeira-ministra, destituída no começo de maio – e seus aliados ganharam todas as eleições no país desde 2001. Mas, com exceção de uma ocasião, todos os mandatos foram interrompidos por ordens da Justiça ou golpes militares.

Nesta segunda-feira, o general Prayuth Chan-ocha não deu um prazo sobre quanto tempo o Exército ficará no poder, mas disse que espera a realização de eleições "em breve". Seu pronunciamento pode agravar a tensão num país polarizado por quase uma década de rivalidade entre os monarquistas, grupo do qual o general Prayuth é membro, e os apoiadores do magnata Thaksin.

RPR/ rtr/ap/dpa

Leia mais