1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Migração

Refugiados passam noite sob frio nos Bálcãs

Mais de mil requerentes de asilo ficam sob chuva durante a madrugada após serem impedidos de entrar na Eslovênia. País entrou na rota de migração para a Europa ocidental após Hungria bloquear fronteira com a Croácia.

Mais de mil requerentes de asilo passaram a madrugada desta segunda-feira (19/10) sob chuva e frio na fronteira da Croácia com a Eslovênia. Um trem com cerca de 1.800 migrantes foi parado pouco antes da fronteira, com a polícia eslovena barrando o acesso com uma cerca improvisada.

Os migrantes tentaram, então, cruzar a fronteira a pé na cidade eslovena de Središče ob Dravi, no nordeste do país, mas a maioria foi impedida por policiais. Cerca de 150 dos refugiados foram autorizados a entrar no país sob escolta, e o restante passou a noite a céu aberto, se esquentando ao redor de fogueiras. Outros 350 teriam tido a entrada no país liberada pela manhã, disse um porta-voz da polícia.

As autoridades da Eslovênia ordenaram uma "proteção intensa das fronteiras", sob o argumento de que os acampamentos para refugiados do país estão lotados.

Na rota de migração dos Bálcãs, o país se tornou uma das portas de entrada para países da Europa ocidental após a

Hungria anunciar o fechamento da fronteira com a Croácia

na última sexta-feira. Contrária à política de realocação de refugiados da União Europeia (UE), a Hungria também já havia imposto bloqueios na fronteira com a Sérvia, onde construiu uma cerca com 175 quilômetros de comprimento.

Diariamente, cerca de 5 mil requerentes de asilo chegam aos Bálcãs, vindos da Grécia. A Eslovênia estabeleceu um limite diário de 2,5 mil refugiados.

No sábado, cerca de 6 mil requerentes de asilo conseguiram chegar à Croácia, mas a maioria foi barrada por policiais na fronteira com a Sérvia, elevando as tensões na região.

Alerta da ONU

A Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) criticou o fechamento das fronteiras por parte da Hungria.

"A decisão da Hungria de fechar suas fronteiras tem certamente aumentado o sofrimento, a miséria e a duração da viagem dessas pessoas desesperadas", afirmou o porta-voz para a Europa Central do Acnur, Babar Baloch. "Haverá desafios se o processo se tornar lento ou tivermos um acúmulo de pessoas."

Mais de 600 mil requerentes de asilo, a maioria sírios, chegaram à Europa desde o início deste ano. Neste domingo, em Istambul, a

chanceler federal alemã, Angela Merkel, ofereceu apoio à Turquia

para a adesão do país à UE em troca de cooperação para gerir a crise de refugiados.

KG/ap/dpa/afp/rtr

Leia mais