1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Refugiado morre na fila de serviço social em Berlim

ONG diz que jovem sírio de 24 anos, que estava doente, foi vítima direta da longa espera do lado de fora de um centro de auxílio na capital alemã: "Ele chegou ao esgotamento por ter que aguardar no frio."

default

Centro de serviços sociais em Berlim, onde jovem morreu supostamente vítimas das condições de espera

O site da revista alemã Der Spiegel noticiou nesta quarta-feira (27/01) que um refugiado sírio de 24 anos morreu após passar um dia esperando para ser atendido em um centro de serviços sociais em Berlim.

Na reportagem, a ativista Diana Henniges, da iniciativa pró-refugiados "Moabit hilft", conta que o jovem, que estava doente, estava há dias aguardando no frio, na parte externa do Departamento Estadual de Saúde e Assuntos Sociais (Lageso, na sigla em alemão) para receber serviços de assistência, como cupons para atendimento médico. Ela diz que a morte do jovem ocorreu como "resultado direto da espera".

"Ele chegou ao esgotamento por ter que aguardar no frio", afirmou Henniges à Spiegel. "Ele teve uma gripe que não foi tratada. No final, teve que aguardar numa fila do lado de fora, com febre."

A ativista contou que o homem não tinha dinheiro ou comida, que não teria sido providenciada pelo Lageso. O centro de serviços sociais em Berlim já foi alvo de outras críticas em razão das péssimas condições aos refugiados que buscam assistência no local.

O berlinense Dirk Voltz – que já havia prestado assistência e até abrigado alguns refugiados, entre eles a própria vítima – chamou uma ambulância, após constatar que o sírio tremia "com uma febre de 39,4ºC". Uma amiga de Voltz trocava mensagens com ele enquanto ele chamava o socorro e divulgou o conteúdo da conversa no Facebook.

Segundo o relato, Voltz estava na ambulância com o jovem sírio quando ele sofreu uma parada cardíaca. Ele interrompeu as comunicações após a morte do refugiado, já no hospital.

O Lageso informou que não tinha conhecimento sobre o incidente, mas que vai analisar o caso.

RC/ots

Leia mais