Reforma trabalhista sofre derrota no Senado | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 20.06.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Reforma trabalhista sofre derrota no Senado

Comissão de Assuntos Sociais rejeita parecer favorável à proposta, com o voto de dois senadores da base aliada. Apesar da derrota, texto segue tramitação e será analisado por mais um colegiado antes de ir a plenário.

Dois senadores da base aliada foram contra a reforma

Dois senadores da base aliada foram contra a reforma

Numa vitória apertada da oposição, a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado rejeitou nesta terça-feira (20/06), por dez votos a nove, o relatório do senador Ricardo Ferraço (PSDB) favorável ao texto base aprovado pela Câmara dos Deputados em abril.

Essa foi a primeira derrota do governo na tentativa de aprovar a controversa proposta que altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e que é uma das principais bandeiras do presidente Michel Temer. A rejeição da matéria contou com o apoio de dois senadores da base aliada, Otto Alencar (PSD) e Eduardo Amorim (PSDB).

Durante a votação, senadores do PT, do PSB e do PCdoB criticaram o texto e disseram que a atual proposta retirará direitos do trabalhador. O líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros, disse que a reforma causará males ao país e aumentará o desemprego.

Leia mais: O que deve mudar com a reforma trabalhista?

Apesar da rejeição, e pela posição do colegiado ser apenas um parecer, o relatório favorável à mudança segue agora para votação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde o relator é o senador Romero Jucá (PMDB), um dos defensores da reforma enviada ao Congresso por Temer no ano passado.

"Não se está abrindo a porteira, é falta de responsabilidade dizer isso. Retirar décimo terceiro não é verdade. Estamos fazendo um ajuste para melhorar a situação de empregabilidade do país", disse Jucá, que é o líder do governo no Senado.

Depois da votação na CCJ, a reforma segue para a análise em plenário, que terá a voz final sobre a proposta. O governo espera aprovar o projeto antes do recesso parlamentar, em julho.

A proposta de mudança aprovada pelos deputados é controversa. Enquanto o governo defende a reforma como uma forma de flexibilizar a legislação, corrigir distorções e facilitar contratações, críticos afirmam que ela vai precarizar ainda mais o mercado de trabalho e enfraquecer a Justiça trabalhista.

Na parecer aprovado pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado no início de junho, Ferraço deu aval ao texto base, mas sugeriu mudanças a serem feitas pelo governo quando a medida fosse sancionada por Temer. Entre as sugestões estão vetos aos trechos que permite que gestantes e lactantes trabalhem em locais insalubres e que retira o descanso de 15 minutos para as mulheres antes do início da hora extra.

Ferraço propôs ainda que o governo regulamente por medida provisória o trabalho intermitente e também reveja a decisão sobre a possibilidade de acordos individuais para jornadas de 12 horas de trabalho com 36 de folga.

CN/abr/ots

Leia mais