1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Esporte

Reforço brasileiro para Seleção Alemã?

Falta de canhoto e carência de lateral esquerdo no selecionado alemão alimentam especulações sobre possível naturalização de Dede. Jogador aceitaria convite para seguir exemplo de Paulo Rink.

default

Dede brilha no futebol alemão como poucos em sua posição

Se num tema os alemães têm consenso, este é a lateral esquerda de sua seleção nacional. Ali está o ponto fraco da equipe, desde que o veterano Ziege renunciou a novas convocações após a Copa do Mundo. Seu sucessor, Böhme, não satisfaz o treinador Rudi Völler. O jogador do Schalke seria muito tempestivo, com atuações irregulares. A escassez na posição faz-se notar nos grandes clubes alemães: Bayern de Munique, Borussia Dortmund e Bayer Leverkusen possuem estrangeiros na lateral esquerda.

Assim sendo, Völler tem improvisado, para desgosto do deslocado Frings. Após o vergonhoso empate com a Bósnia-Herzegovina (dia 11/10), o debate esquentou, quando o narrador Steffen Simon, da emissora de tevê ARD, sugeriu a naturalização de Dede (Borussia Dortmund) como solução.

Eficiência incomum – No ranking da temporada passada elaborado pela revista Kicker, o brasileiro de 24 anos aparece em terceiro lugar entre os melhores laterais defensivos. "Ele é um beco sem saída. Quem corre em seu encontro, não passa com freqüência. Porque Dede é uma placa de 'Pare' brasileira com mentalidade alemã. Forte nas disputas de bola, mordaz, seguro com a bola. Numa posição difícil, ele mostra uma rara constância." Nas disputas de bola, Leonardo de Deus Santos – seu nome de batismo – desponta vitorioso em mais de 60% das jogadas, em média.

Ex-jogador da seleção brasileira olímpica, Dede nunca teve a chance de vestir a camisa canarinho da equipe principal, na qual Roberto Carlos é titular absoluto na lateral esquerda. Nem mesmo para a reserva na última Copa do Mundo foi lembrado pelo técnico Luís Felipe Scolari. Desesperançoso, o ex-jogador do Atlético Mineiro está disposto a vestir a camisa branca com o escudo da águia no peito. "Seria o máximo. Rudi Völler só precisa me telefonar", deixa claro o brasileiro.

Precedentes – Dede não seria o primeiro estrangeiro a se naturalizar para satisfazer às necessidades da Seleção Alemã. Asamoah (Gana), Neuville (Suíça) e Dundee (África do Sul) já deram este passo, assim como o paranaense Paulo Rink na época em que o treinador Erich Ribbeck (1998-2000) comandou o selecionado germânico. O então atacante do Bayer Leverkusen (hoje no Energie Cottbus) chegou a ser convocado 13 vezes.

A diferença entre Dede e Paulo Rink é que este tem antepassados alemães e assim o trâmite para dar-lhe um passaporte alemão foi rápido. Sem origem alemã, os estrangeiros precisam residir há oito anos na Alemanha para solicitar naturalização. Porém, o lateral do Borussia Dortmund está no país apenas desde 1998.

Jeitinho alemão – "Tenho certeza que se houver interesse por parte deles, eles me naturalizam. Não é só no Brasil que existe jeitinho. Aposto que aqui também", declarou o solteiro Dede ao DW-WORLD, dizendo desconhecer as leis alemãs de naturalização. A intuição do brasileiro tem fundamento. Toda regra tem suas exceções, diz o ditado. As autoridades podem conceder já a Dede a cidadania alemã se considerarem que existe "interesse público" em sua naturalização.

O técnico Rudi Völler, por enquanto, não parece muito entusiasmado com a possibilidade de ter Dede a sua disposição. "Para um jogador atuar na seleção nacional, ele deve ter um pouquinho a ver com a Alemanha", desconversa o treinador.

Já foi consultado – Dede não se faz de rogado. "Disciplina tática, pontualidade, combatividade. Eu já me sinto pela metade alemão", afirma o mineiro de 24 anos. "Eu me sinto bem integrado aqui. Gosto de trabalhar na Alemanha", completa o lateral, apesar de já ter sofrido discriminação racial.

Apesar da aparente negativa inicial de Völler, as portas da seleção vice-campeã mundial não parecem fechadas ao campeão alemão. Dede goza de boas relações com Michael Skibbe, ex-técnico do Borussia Dortmund e auxiliar de Völler desde 2000. O mineiro afirma que Skibbe já o consultou se teria vontade de jogar pela Alemanha. "Dede é um jogador excepcional, mas não quero me envolver em especulações", tira o corpo fora o auxiliar de Völler.

Leia mais