1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Referendo sobre saída da UE polariza britânicos

Nas ruas de Londres, votação anunciada para junho por Cameron divide opiniões. Permanência na União Europeia é controversa mesmo dentro do governo, e resultado do pleito é tido como imprevisível.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou neste sábado (20/02) que o referendo sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia (UE) será no dia 23 de junho. Em Londres, as reações a uma possível saída do país do bloco são bastante variadas.

Próximo ao Parlamento britânico, com o Big Ben ao fundo e os ônibus de dois andares transitando em meio aos táxis pretos, sob chuva fina e céu cinza, a impressão que se tem é que cidade não poderia estar mais "britânica".

Ao ser indagada sobre sua opinião quanto a uma possível saída do país da UE, uma jovem que caminha em frente ao Parlamento responde enfaticamente: "Sem dúvida, Brexit!", empregando o termo que reúne as palavras Britain e exit (Reino Unido e saída).

Entretanto, muitos britânicos não são simpáticos à possibilidade de que Reino Unido deixe de fazer parte da União Europeia. A estudante de moda Chloe observa que o ponto principal nesse debate é a imigração. Ela aponta para uma pedinte idosa que toca acordeão na esquina da avenida Whitehall com a Westminster Bridge Road.

"Aqueles que fazem campanha contra a UE querem se livrar desse tipo de pessoa. Eu não acho que ela faça mal a alguém", opina.

A turista francesa Céline Pavot se diz surpresa ao saber que o fato de o país integrar a UE seja um ponto de discórdia entre os britânicos. Para ela, seria difícil imaginar a Europa sem o Reino Unido, mas ressalta que eles sempre foram um pouco "diferentes" dentro do contexto europeu mais amplo.

A questão de uma potencial Brexit não é apenas relevante para os britânicos, mas também para os oito milhões de pessoas nascidas no exterior que vivem no Reino Unido. A sul-africana Mieling Abel, de 39 anos, conta que veio para o país quando tinha 15, e diz ter dificuldades para se posicionar quanto ao tema.

"Não acho que eu saiba o suficiente sobre isso", diz. "Acho que a maioria das pessoas não sabe o suficiente sobre a UE. Não sei se isso me afetaria pessoalmente, mas sei que se fala disso há muito tempo."

Uma possível consequência da saída britânica seria a redução da mobilidade de seus cidadãos. Este é um ponto que, para muitos, influencia contra deixar a União Europeia. Alan, de 46 anos, analisa que esta é uma questão complicada, mas diz que seu trabalho como consultor depende da permanência do país entre os europeus.

O escocês James McDonald, de 38 anos, também aprecia a liberdade de movimento que a UE dá às pessoas. "Acho que, no longo prazo, nós também deveríamos aderir ao Espaço Schengen", observa, se referindo ao acordo que estabelece a área de livre-transito entre os países da Europa.]

"Todos sabemos como a rainha entrou de última hora na campanha do referendo escocês [sobre independência do país do Reino Unido, que resultou na vitória do "não"] provocando uma reviravolta", lembra McDonald. "Espero que ela tenha algo de construtivo a dizer também sobre o referendo sobre a UE."

Os defensores e opositores do Brexit deverão iniciar em breve as suas campanhas. O tema é controverso mesmo dentro do governo de Cameron. Diversos ministros não deverão seguir o apoio do premiê em prol de uma permanência do Reino Unido na União Europeia.

Espera-se que um dos mais próximos aliados de David Cameron, o secretário de Justiça Michael Gove, e outros cinco membros do gabinete façam campanha pela saída britânica da UE. Segundo as pesquisas de opinião, o resultado do referendo é incerto.

Leia mais