Referendo sobre reprodução assistida fracassa na Itália | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 13.06.2005
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Referendo sobre reprodução assistida fracassa na Itália

Campanha movida pela Igreja contra reprodução assistida e descrença em relação a discurso político levam apenas 25% dos italianos a participarem de referendo.

default

Assunto complexo ou influência da Igreja?

Pode-se dizer que bispos e cardinais em Roma saíram vitoriosos das urnas. Pois a Igreja Católica havia aconselhado a população italiana a ficar em casa ao invés de dar o aval à modificação da lei sobre a reprodução assistida e pesquisas envolvendo células-tronco no país. Diante do reduzido número de votantes, o referendo realmente fracassou.

O eleitorado havia sido convidado a decidir se casais que optam pela reprodução assistida poderiam passar a recorrer a bancos de esperma. Além disso, o referendo pretendia definir a necessidade de manter limitado a três o número de embriões produzidos, que podem ser implantados na mulher sem diagnóstico prévio. Outra questão dizia respeito às atuais limitações nas pesquisas envolvendo células-tronco.

Dando ouvidos à Igreja?

Apenas com um índice de participação de no mínimo 50% da população teria sido possível modificar as leis no país. De acordo com a mídia local, não apenas a postura contrária da Igreja, mas também um clima de decepção com a classe política provocou o desinteresse do eleitorado em relação ao assunto.

"A Igreja nunca atuou de forma tão presente e decisiva", reclama Stefania Prestigiacomo, ministra italina para a igualdade de oportunidades entre homens e mulheres. Prestigiacomo é uma das poucas vozes do governo que se pronunciaram a favor de um relaxamento das regras rígidas que regulamentam a reprodução assistida no país.

Vor Volksabstimmung in Italien

Cartaz em igreja na Itália

A Igreja Católica, por sua vez, moveu uma campanha com todas as forças contra a participação popular na decisão, apelando para o argumento de que "a vida humana não pode ser exposta a um referendo". Da campanha fizeram parte cartazes nos quais se lê a frase também eles teriam dito sim, ao lado de fotos de oficiais nazistas. Até mesmo em pequenas comunidades no interior do país houve mobilização de forças contra o referendo.

Bispos envolvem-se em questões políticas

O diário La Repubblica comentou o início de "uma nova fase" na política italiana, aludindo ao fato de que, nas últimas décadas, esta foi a primeira vez em que a Igreja ousou intrometer-se de forma tão veemente em assuntos de ordem política. E ainda contando, para isso, com o aval do Vaticano. "Isso havia acontecido apenas nos referendos históricos sobre o divórcio e o aborto", observa o jornal.

Os lendários referendos causaram convulsões no país em 1974 e 1981 respectivamente. Desde então, reinou na Itália uma espécie de "coexistência pacífica" entre Estado e Igreja. Embora religiosos e clérigos façam uso de temas políticos em seus sermões, não tem sido de praxe que a Igreja mobilize forças em prol de causas públicas. Questiona-se até que ponto a linha dura do novo papa Bento 16 pode ter influenciado a conduta da Igreja neste sentido.

Berlusconi: assunto muito complicado

Niederlage für Berlusconi

Silvio Berlusconi

Outro fator que pode ter levado ao fracasso do referendo é a omissão de boa parte da classe política em relação ao tema. O premiê Silvio Berlusconi nem se deu ao trabalho de se locomover às urnas. "As questões giram em torno de um assunto muito técnico e complexo", desculpou-se.

A complexidade do assunto pode ter sido, diga-se de passagem, um dos fatores que levaram à baixa participação dos italianos no referendo. Experiências com embriões, pesquisa genética e clonagem humana são temas sobre os quais o cidadão normal não dispõe de informações suficientes para emitir uma opinião segura.

A ministra Stefania Prestigiacomo teme, com isso, que a Igreja tenha conseguido adeptos para seus preceitos, criando lacunas que poderiam levar até mesmo a um acirramento das leis hoje liberais que regulamentam o direito ao aborto no país.

Leia mais