Reconstrução do Haiti teve poucos avanços em seis meses | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 12.07.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Reconstrução do Haiti teve poucos avanços em seis meses

Mais de um milhão de desabrigados, áreas reduzidas a escombros e ainda não reconstruídas: quem vive no Haiti não tem esperança de que a situação melhore a curto prazo.

default

Haitiano na capital Porto Príncipe, seis meses depois

Seis meses se passaram após o violento terremoto que devastou o Haiti em 12 de janeiro último, que fez aproximadamente 300 mil vítimas e deixou 1,6 milhão de desabrigados, entre os quais 800 mil crianças. E o cenário de hoje é praticamente o mesmo de então.

"Não há perspectivas, não há recursos para a reconstrução. A comunidade internacional nos prometeu dinheiro, mas quando ele virá?", desabafou Franck Paul, ex-prefeito da capital Porto Príncipe.

Em seu cotidiano, os haitianos se veem confrontados com o entulho que encobre as cidades e com os acampamentos de emergência superlotados.

"Quando nos chamaram para vir para este campo, nos prometeram casas. Onde estão elas?", pergunta-se Jean-Auguste Petit-Frere, residente em um acampamento desde o terremoto.

Flash-Galerie Haiti Sechs Monate nach dem Erdbeben

Haitiana em frente de seu novo abrigo

Atravancamento das ruas

As organizações humanitárias, por outro lado, encaram o acúmulo de entulho como o maior entrave no Haiti. O principal problema não é dinheiro ou ajuda material, mas sim a dificuldade de demover o entulho, avalia Peter Rees, representante das Nações Unidas.

Para retirar mais de 20 milhões de metros cúbicos de entulho, a ONU desenvolveu juntamente com o governo haitiano um plano orçado em 120 milhões de dólares.

Além de dificuldades de ordem técnica, há outros fatores que agravam o quadro. "As pessoas estão emocionalmente ligadas às suas antigas casas e ao que restou delas", explica Timo Luege, da ONU.

Flash-Galerie Haiti Sechs Monate nach dem Erdbeben

Acúmulo de entulhos nas ruas ainda é um grande problema

Outras limitações

O secretário-geral do Cruz Vermelha na Alemanha, Clemens Waldburg-Zeil, também considera as autoridades haitianas responsáveis pela demora do processo de reconstrução do país. "O problema não é a liberação do dinheiro, mas sim a falta de apoio das autoridades locais."

Na visão de Waldburg-Zeil, somente quando houver um planejamento prudente e o projeto for implementado de forma ordenada é que o dinheiro poderá circular.

Três meses atrás, uma conferência internacional de líderes internacionais prometeu destinar 10 bilhões de dólares de ajuda ao Haiti, a serem investidos ao longo de cinco anos. Mas a soma está chegando em ritmo lento ao país.

Flash-Galerie Haiti Sechs Monate nach dem Erdbeben

De 1,6 milhão de desabrigados, 800 mil são crianças

Reconstrução

Segundo estimativas, o prejuízo material no Haiti chegou a 7,86 bilhões de dólares – o que equivale a 120% do Produto Interno Bruto do país de 2009.

O terremoto de magnitude sete na escala Richter destruiu 188 mil casas, 3.978 escolas e 22% de toda a infraestrutura de saúde de um país que, antes da catástrofe, já era tido como o mais pobre do Ocidente.

O escritório da ONU no Haiti informou que aproximadamente 4 mil casas de 18 metros quadrados foram construídas no país como parte de um projeto que prevê 10 mil residências.

A Cruz Vermelha francesa, que prometeu construir 30 mil casas provisórias em colaboração de sua representação norte-americana, começou a erguer 500 delas numa vila ao leste da capital haitiana.

O Programa Mundial de Alimentação das Nações Unidas está oferencendo trabalho temporário para 35 mil homens e mulheres. A expectativa é de que esse número suba para 140 mil até o fim do ano. Em troca da mão-de-obra, os trabalhadores recebem alimentação e dinheiro.

NP/kna/lusa/afp
Revisão: Simone Lopes

Leia mais