Recessão atinge Grécia e Portugal, mas Alemanha cresce | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 14.02.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Recessão atinge Grécia e Portugal, mas Alemanha cresce

Em 2011, o PIB da Grécia recuou 6,8% em relação ao ano anterior. Em Portugal, a queda foi de 1,5% para o mesmo período. Enquanto isso, dados mostram que reação da Alemanha à crise do euro foi melhor que a prevista.

Um recuo da economia já era esperado na Grécia, mas não dessa forma. O Produto Interno Bruto (PIB) do país altamente endividado sofreu em 2011 queda de 6,8%, em comparação com o ano anterior, informou o departamento de estatísticas grego (ELSTAT) nesta terça-feira (14/02) em Atenas. Em 2010, a economia do país já havia encolhido 4,5%.

Os novos dados foram divulgados poucos dias depois de revelado que o desemprego continuou a subir na Grécia. A taxa ficou em 20,9% em novembro passado, ultrapassando pela primeira vez na história recente do país a marca de 1 milhão de pessoas. Há dois anos, a taxa registrada no mesmo mês foi de 13,9%, e, em outubro de 2011, estava em 18,2%.

Portugal também registra recessão por conta das rígidas medidas de austeridade. Em 2011, o PIB recuou 1,5% em relação a 2010, de acordo com o departamento nacional de estatística. A queda foi, entretanto, menor do que a prevista pelo governo e pelo Banco Central português. Apesar da crise na zona do euro, a economia do país crescera 1,4% em 2010.

Para os portugueses, a ajuda financeira da União Europeia (UE) e do Fundo Monetário Internacional (FMI) – no valor de 78 bilhões de euros – implicou cortes de gastos e aumento de impostos. Muitas das medidas só serão percebidas pelos consumidores ao longo do ano. Para 2012, o governo prevê uma diminuição de 3% no desempenho econômico do país.

Boas novas para os alemães

Bolsa de Frankfurt registrou alta após divulgação de dados conjunturais positivos

Bolsa de Frankfurt registrou alta após divulgação de dados conjunturais positivos

Enquanto isso, a Alemanha mostra estar se saindo relativamente bem no contexto da crise. De acordo com o Centro de Pesquisa Econômica Europeia (ZEW, na sigla em alemão), as expectativas conjunturais dos especialistas em mercado financeiro aumentaram em fevereiro e foram positivas pela primeira vez desde maio de 2011.

O índice calculado pelo ZEW e divulgado nesta terça-feira aumentou 27 pontos, ficando em 5,4 pontos. Observadores esperavam um resultado de -11,6 pontos, e, em dezembro, o número ficou em -53,8 pontos. O Centro consulta cerca de 300 analistas e investidores institucionais.

"Do ponto de vista dos especialistas em mercado financeiro, as chances da economia alemã sofrer uma leve alta no segundo semestre são boas", disse o presidente do ZEW, Wolfgang Franz. Após a divulgação dos dados, a Bolsa de Valores de Frankfurt e o euro registraram altas.

Enquanto isso, o Departamento Federal de Estatística da Alemanha (Destatis) estima que a economia do país tenha encolhido 0,25% nos últimos três meses de 2011. Para o início deste ano, a maioria dos economistas prevê um leve crescimento. A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) projeta um crescimento de 0,6% para a economia alemã em 2012 e de 1,9% para o ano que vem.

LPF/dw/dpa/rtr/dapd
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais