Rebeldes líbios anunciam mudança do governo para Trípoli | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 26.08.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Rebeldes líbios anunciam mudança do governo para Trípoli

Conselho Nacional de Transição anuncia transferência de seu comitê para a capital líbia e aguarda chegada de 1,5 bilhão de dólares ao país. Dinheiro, que estava congelado, foi liberado para ajuda humanitária.

default

Presidente do CNT, Jalil só vai se mudar quando for seguro

Os rebeldes líbios iniciaram a transferência do comitê-executivo do Conselho Nacional de Transição (CNT) de Bengasi para Trípoli, anunciou o vice-presidente do órgão, Ali Tarhouni, nesta sexta-feira (26/08). Porém, o presidente do CNT, Mustafa Abdul Jalil, só irá para a capital quando "houver mais segurança".

Tarhouni, líder insurgente que administra assuntos financeiros e ligados ao petróleo, afirmou que metade dos membros do CNT já se encontra na capital e que os trabalhos de restabelecimento de serviços básicos à população já começaram.

O Conselho Nacional de Transição estava sediado desde meados de março em Bengasi, após a revolta em fevereiro contra o regime do ditador Muammar Kadafi.

Dinheiro para reconstrução

Na Itália, o chefe do governo rebelde líbio, Mahmoud Jibril, disse que o levante, até agora o mais sangrento da chamada Primavera Árabe, poderia perder força se recursos não chegassem logo ao país. "O maior elemento desestabilizador seria a falha em oferecer os serviços necessários e pagar os salários das pessoas que não recebem há meses", comentou.

Nesta quinta-feira, Estados Unidos e África do Sul chegaram a um acordo para liberar 1,5 bilhão de dólares para a Líbia, dinheiro do regime Kadafi até então congelado. Da maneira como o acordo foi costurado, não será necessária a ação do Conselho de Segurança para a liberação da quantia.

A África do Sul é contra o envio de recursos diretamente para o Conselho Nacional de Transição, ainda não reconhecido pela União Africana. O governo sul-africano insistiu para que não houvesse referência ao CNT no documento de liberação dos recursos.

A secretária norte-americana de Estado, Hillary Clinton, afirmou que, com a liberação do dinheiro, os Estados Unidos esperam que o CNT cumpra o compromisso assumido de construir um Estado democrático tolerante e unificado, que garanta os direitos humanos dos seus cidadãos.

"É decisivo que o CNT se engaje rapidamente com comunidades e líderes em toda a Líbia para assegurar a ordem, providenciar serviços básicos importantes às pessoas e pavimentar o caminho para uma transição completamente democrática", diz a nota assinada por Clinton.

Segundo os Estados Unidos, o dinheiro, congelado pelo governo conforme sanções adotadas neste ano pelas Nações Unidas, não será usado para ações militares. A soma chegará ao país árabe em três lotes e pagará os serviços humanitários prestados por agências da ONU nas áreas de saúde, educação e alimentação, além do fornecimento de eletricidade e dessalinização.

Em entrevista, Tarhouni revelou que a Líbia deve voltar a exportar petróleo nos próximos dois ou três meses, com a expectativa de atingir a capacidade total no espaço de um ano.

Caça ao ditador

Hisham Buhagiar, líder militar dos rebeldes, disse que a busca por Kadafi continua. "Estamos enviando forças especiais todos os dias para encontrá-lo. Temos uma unidade dedicada à inteligência e outras para caçá-lo."

Os líderes insurgentes, que ofereceram prêmio em dinheiro para quem revelar o paradeiro do ditador, afirmaram que a guerra, que já dura seis meses, só acabará quando Kadafi for encontrado, "vivo ou morto".

NP/rtr/dpa
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais