1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Real se recupera do tombo, mas previsões não são animadoras

Moeda brasileira teve forte desvalorização em agosto, quando eram necessários 2,45 reais para comprar 1 dólar. Hoje cotação está em torno de 2,15, mas economistas são pessimistas em relação ao futuro próximo.

Moedas de países emergentes, como o real, sofreram uma desvalorização significativa em relação ao dólar nos últimos meses. O real se recuperou um pouco desde então, mas as previsões de economistas não só para a moeda, como para toda a economia brasileira, são pessimistas.

Especialistas no assunto disseram à DW Brasil que o real, hoje cotado a 2,18 por dólar, depois de ter atingido 2,45 em agosto, deve ficar entre 2,20 e 2,30 nos próximos meses. A partir daí deve haver uma deterioração gradual, segundo eles.

"Mais para o final de 2014, a preferência do governo seria deixar o real enfraquecer um pouco mais, ou seja, ele deve ficar por volta de 2,40 por dólar", diz o economista da ING para a América Latina, Gustavo Rangel. Segundo ele, o governo ainda se preocupa muito com a competitividade da indústria local. "O Banco Central continua mantendo os juros altos, e o foco deles é controlar a inflação e também limitar perdas adicionais do real."

A moeda brasileira, que no início do ano manteve por um bom tempo uma cotação de 2 reais por dólar, entrou em queda livre a partir de maio, quando o Banco Central dos EUA, o Federal Reserve, anunciou que poderia deixar de injetar um estímulo adicional de 85 bilhões de dólares por mês na economia americana após ela mostrar sinais de melhora.

Essa ameaça de menos capital assustou os mercados, e não demorou muito para que investidores mais conservadores colocassem o pé no freio. Muitos deles optaram por tirar dinheiro investido na economia brasileira.

Mesmo com a ameaça de então já posta de lado pelo governo americano – ao menos por enquanto –, o susto deixou alguns investidores receosos em investir em países de economias emergentes, como o Brasil.

"Foi só um susto, e agora o real tem um pouco mais de tempo para se recuperar. No entanto, a expectativa é que o Banco Central americano tome uma decisão quanto a esse assunto já em dezembro ou em março do ano que vem", diz o economista Peter Kinsella, estrategista de câmbio do Commerzbank.

Governo brasileiro toma boas medidas

Os especialistas concordam que o governo brasileiro tem tomado boas medidas, tanto no que diz respeito à inflação quanto ao câmbio. Na reunião de outubro do Comitê de Política Monetária (Copom), o Banco Central elevou a taxa Selic de 9% para 9,5% ao ano, dando continuidade a um aumento progressivo desde abril deste ano.

Além disso, em recente discurso no Fundo Monetário Internacional, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, disse que o governo deve continuar com o programa de atuação diária no mercado cambial – que tem um potencial de até 60 bilhões de dólares – até o fim de 2013.

"Essas intervenções têm ajudado a evitar uma maior volatilidade da moeda", afirma Kinsella, explicando que, daqui em diante, o real não deve sofrer nenhum movimento drástico. "Eu não me surpreenderia se o real ficasse por volta de 2,15 por dólar até maio de 2014."

Rangel diz que o anúncio de intervenções diárias no câmbio, assim como o aumento contínuo e agressivo dos juros, foram notícias bem recebidas pelo mercado. "Havia um certo receio dos investidores de que o atual governo não fosse deixar o Banco Central elevar os juros na medida necessária, mas Tombini mostrou que vai continuar fazendo o que for necessário para reduzir a inflação e deixá-la dentro da meta estipulada."

A situação se complica daqui pra frente

O riscos, porém, vêm de fora, alertam os especialistas. Até recentemente, Brasil e outras economias emergentes desfrutaram de ganhos relativamente fáceis, mas, a partir de agora, a situação se complica um pouco, afirma Kinsella.

"Está mais difícil para as economias emergentes crescerem. Os países mais desenvolvidos, como os Estados Unidos e os europeus, já estão mostrando mais sinais de crescimento, e isso significa que parte do capital até recentemente investido nos países emergentes deve retornar para as economias dos países desenvolvidos", avalia Kinsella. "É bem provável que os próximos dois anos sejam difíceis para o real e para a economia brasileira como um todo."

Por exemplo, no começo de outubro, a agência Moody's reduziu a perspectiva do rating soberano brasileiro de "positivo" para "estável". Os analistas da Moody's explicaram que a decisão se deve à queda no nível de investimentos e ao fraco desempenho da economia, bem como ao crescimento da dívida pública em relação ao PIB.

Rangel disse que não há mesmo motivos para otimismo, mas ele vê "um certo exagero" nas expectativas negativas do mercado em relação ao Brasil. "O país de fato não está crescendo e nem vai crescer no nível que poderia, mas também não é tão ruim quanto muita gente estava esperando."

A estagnação econômica é um problema que não atinge só o Brasil. "O crescimento do PIB de outros países emergentes, como a China, por exemplo, também tem sofrido recentemente desaceleração", diz Kinsella. "Depois de anos de crescimento, esses países estão agora tendo mais dificuldades para continuar crescendo a partir desses novos níveis que eles já atingiram. Por isso, precisam de mudanças estruturais mais rígidas, como por exemplo, reformas trabalhistas e fiscais, principalmente no Brasil."