Rap de família do Fanta4 volta em novo álbum | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 20.04.2007
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Rap de família do Fanta4 volta em novo álbum

Os quatro fantásticos, festejados como a primeira banda de hip hop em alemão, lançam seu sétimo álbum de estúdio na esteira do sucesso do anterior e provam que o hip hop também foi feito para durar.

default

Da crítica da elegância à elegância da crítica

Coletivos de hip hop não são lá constelações das mais duráveis – Run DMD, Public Enemy, N.W.A. – a maioria acaba cruzando a tênue linha que separa compositores de produtores, outros criam gravadoras próprias e abrem caminhos para outros. Mas certas formações fogem à regra e não se deixam abalar por projetos paralelos, por mais freqüentes que sejam.

Um bom exemplo são os Beastie Boys. No ar desde 1981, eles usam o hip hop como base para uma mistura de estilos e influências que já se tornou característica. Os alemães do Die Fantastischen Vier (Os quatro fantásticos) mostram uma perseverança semelhante.

A banda começou a carreira nos subúrbios de Stuttgart (o que na Alemanha não necessariamente significa condições precárias, portanto, sem romantizar) e ainda é festejada como "o primeiro grupo de hip hop em alemão". Hoje se passaram 18 anos, seis álbuns de estúdio e três ao vivo, uma coletânea com os principais sucessos, 40 clipes, 650 shows e mais de seis milhões de discos vendidos.

Die Fantastischen Vier

Michi Beck, Smudo, Andy e Thomas D

Rap sossegado

Essa maturidade, por assim dizer, talvez seja o que distingue os Fanta4, como foram carinhosamente apelidados, da maioria dos rappers alemães, e dispensa a agressividade pubertária que é marca registrada dos rapeiros do Aggro Berlin, por exemplo. No começo da década, o selo roubou a cena, deu e ainda dá trabalho às autoridades alemãs de "proteção à juventude", por sugerir violência desnecessária e sexismo em suas letras.

Pelo contrário: desde o princípio, Smudo (MC CoolCat), Andreas Rieke (ou And.Ypsilon), Michi Beck (D-Jot Hausmarke) e Thomas D são a prova de que é perfeitamente possível ser crítico sem ser antipático e, o mais importante, sem cair no chavão do machismo e do sexismo. Por mais que eles abusem em clipes da imagem de "milionários pé-no-chão", lembra o Süddeutsche Zeitung.

Os quatro estouraram em 1992 com o hit "Die da!?!" (Aqueles lá!?!) do segundo álbum de 1992 e foram erroneamente interpretados pela revista adolescente Bravo como uma boyband. Só com o terceiro álbum Die vierte Dimension (A quarta dimensão) é que veio o devido reconhecimento como uma banda de hip hop, com letras refletidas e atitude.

Pulando a cerca

Mas o tempo não pára e, assim como com os três pioneiros de Nova York, também os Fanta4 tiveram a vontade/necessidade de satisfazer a veia artística pessoal: Thomas D lançou dois álbuns solo, Michi Beck lançou dois discos bem-sucedidos com o amigo DJ Thomilla sob o codinome Turntablerocker, e os outros tentaram a sorte como produtores.

Basecaps der Fantastischen Vier

O que eles têm na cabeça?

A essa altura, a banda já desfrutava de popularidade e prestígio na Alemanha, e tinha desenvolvido um estilo próprio inconfundível, o que os álbuns seguintes puderam comprovar. Aí veio o convite para gravar um Acústico MTV. Na época, Herbert Grönemeyer (link abaixo) era o único alemão a ter tido a honra do convite e os Fanta4 foram a primeira banda de hip hop alemã a gravar um acústico. O álbum, claro, rendeu um disco de ouro.

Falta de inspiração?

O sétimo e recém-lançado disco Fornika é mais uma prova de que o tempo não pára. Só que, desta vez, a maturidade pode ter trazido efeitos negativos. Como cantam em uma das letras: " Die Jungs haben sich kaum verändert, außer den Augenrändern" (algo como: os rapazes quase não mudaram, só as olheiras aumentaram).

Recebido sem muita ansiedade pela imprensa, o álbum apresenta a mesma elegância fonética e profundidade sonora, típicas dos Fantásticos, agora investindo menos em samples e mais em composições próprias. Mas deixa a ousadia completamente de fora. Praticamente não há novidades, continuando exatamente onde o anterior parou.

Die Fantastischen Vier: Fornika - Plattencover

Capa de 'Fornika'

"Da última vez, foi difícil recomeçar depois de quatro anos", explica Michi. Mas as pausas talvez sejam o verdadeiro segredo do processo de composição do grupo, tempo para escutar coisas novas, buscar inspiração externa. "Só sabemos o que não queremos. Nossa técnica é uma mistura entre táticas de esquivo e confronto de receios íntimos", conta Smudo. O sucesso deixou um gosto de "eles podem fazer o que quiserem" e a mídia agora cobra inspiração. A banda se defende: "É tão difícil compor um disco. É um verdadeiro sofrimento ficar tendo idéias novas. Será que isso é cool? Quem se interessa por isso? Eu gosto disso? Não podemos responder a nenhuma destas perguntas", argumenta Smudo. "Não é verdade que podemos fazer o que queremos", reclama Andy.

A sorte é que, ao que parece, o anterior não parou: ainda sob impacto do sucesso da turnê do sexto álbum Viel, vista por mais de um milhão de pessoas, eles dispensaram a longa pausa que punham entre um disco e outro e lançaram Fornika logo na sequência.

Leia mais

Links externos