1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Radicais islâmicos ameaçam segurança da Alemanha

Organizações radicais islâmicas representam grande perigo, segundo relatório anual do serviço secreto, divulgado em Berlim, nesta sexta-feira (24). Documento trata também dos radicais de direita e esquerda no país.

default

Ministro do Interior, Otto Schily (dir.), e o presidente do serviço secreto, Heinz Fromm

O terrorismo islâmico é o motivo de maior preocupação do governo, disse o ministro do Interior, Otto Schily, ao apresentar o relatório. O político social-democrata exortou todos os órgãos de segurança a ficar atentos, mas sem entrar em pânico. Um alarme constante depois de 11 de setembro seria um erro, segundo ele, embora a Alemanha também esteja ameaçada pelos extremistas islâmicos.

Consta no relatório que 3100 pessoas fazem parte dos grupos islâmicos do mundo árabe na Alemanha. Entre elas encontram-se também partidários da organização Al Qaeda, de Osama Bin Laden, responsabilizada pelos atentados de setembro em Nova York e Washington. As autoridades alemãs não conhecem exatamente o número de membros da Al Qaeda no país. Três dos 19 terroristas de 11 de setembro investigados viveram legalmente na Alemanha e não eram ativos em organizações radicais.

O número estimado de membros de todas as 65 organizações de extremistas estrangeiros na Alemanha aumentou levemente em 2001. O serviço secreto calcula que elas somavam 58.800 pessoas em 2000 e agora têm 59.100.

As investigações das atividades dos extremistas islâmicos são muito dispendiosas, por causa de suas estruturas conspirativas, segundo o presidente do serviço secreto, Heinz Fromm. Mas com a verba adicional que o governo colocou à disposição depois de 11 de setembro, ele pôde contratar agentes que falam árabe.

Perigo da direita – Quanto aos grupos extremistas alemães, o relatório anual do serviço secreto confirma que a extrema-direita continua mais perigosa do que a extrema-esquerda.

Não mudou nada na necessidade de proibir o Partido Nacional Democrata (NPD), segundo o ministro do Interior, porque este é o partido de extrema-direita mais agressivo. O NPD abriga o maior número de skinheads e neonazistas com passagem pela polícia por causa de atos de violência contra estrangeiros, judeus e instituições judaicas. Por isso o governo e as duas câmaras do Legislativo pediram a extinção do partido ao Tribunal Federal Constitucional. A sentença deverá ser ditada até o fim do ano.

Em 2001, haviam 144 organizações e grupos alemães de extrema-direita. Os extremistas de direita diminuíram de 50.900 para 49.700. A quantidade dos predispostos à violência aumentou 7% para 10.400 pessoas, em sua grande maioria rapazes a partir de 13 anos de idade.

Eles cometeram no ano passado 1054 crimes, dos quais 709 atos de violência, sendo 374 contra estrangeiros. A metade de todos os crimes aconteceu na região da ex-Alemanha Oriental comunista, onde vive apenas 22% da população.

Neocomunistas espionados – O número de radicais de esquerda caiu de 33.500 para 32.900 no ano passado. Entre eles encontram-se 1500 partidários da plataforma comunista do Partido do Socialismo Democrático, o PDS sucessor do PC da ex-República Democrática Alemã. Esses extremistas justificam que o PDS permaneça sob observação dos serviços secretos estaduais, segundo o ministro do Interior.

Os extremistas de esquerda com disposição para a violência somam 7 mil pessoas, das quais 6 mil são qualificadas como anarquistas. Eles são responsáveis por 750 atos de violência, em 2001, entre os quais lesões corporais e atentados incendiários.