Rússia se livra de cães de rua antes da Copa | Fique informado sobre tudo o que acontece na Copa do Mundo | DW | 22.05.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Copa 2018

Rússia se livra de cães de rua antes da Copa

Centenas de milhares de vira-latas vagam pelas ruas das grandes cidades russas. Nas vésperas da Copa, autoridades aceleram a "limpeza". E entram em confronto com ativistas dos direitos dos animais.

default

Cães vira-latas diante do anúncio de empreendimento imobiliário em Moscou

Uma guerra opõe ativistas de direitos dos animais e autoridades da Rússia às vésperas da Copa do Mundo de 2018. No centro dela está a "limpeza" das ruas das grandes cidades dos vira-latas.

O problema dos cães sem dono já existe há muito tempo, mas ganhou uma nova dimensão com a chegada do grande evento esportivo.

A Rússia quer causar uma boa impressão nos turistas estrangeiros, o que inclui também retirar os cães sem dono das ruas. Especialistas calculam que há de 400 mil a até 2 milhões vagando pelo país.

Ativistas de proteção dos animais alertam para editais cada vez mais frequentes nos sites de autoridades russas, às vésperas da Copa do Mundo. Neles, diz-se que animais abandonados não devem mais apenas ser "recolhidos, esterilizados e abrigados", mas também "recolhidos, transportados e eliminados".

A ativista Helena Ivanova-Werchovskaya afirma que as autoridades prometeram construir abrigos temporários nas cidades da Copa. "Os cachorros seriam recolhidos, esterilizados, abrigados e, depois da Copa do Mundo, de novos soltos. Isso era o que se dizia há dois, três meses."

Mas apenas Moscou, São Petersburgo e Níjni Novgorod – três das onze cidades onde a Copa será disputada – têm abrigos para animais de rua. Kaliningrado está construindo um. E em nenhuma delas as condições são ideais. "Onze cidades russas estão sendo inundadas com o sangue de animais sem dono", afirma o grupo de ativistas BloodyFifa2018.

Segundo Ivanova-Werchovskaya, o problema exista há décadas e não pode ser resolvido em tão pouco tempo. Ela trabalha para a Câmara Pública de Moscou, onde coordena um grupo de vigilância dos cães abandonados. A Câmara Pública, recentemente criada pelo presidente Vladimir Putin, é um órgão consultivo do Parlamento que assessora o trabalho das duas câmaras parlamentares.

Superlotação em abrigos 

Um projeto para esterilizar e vacinar os cães de Moscou, sem retirá-los das ruas, foi encerrado em 2008. Desde então, os animais apenas são recolhidos para os 13 abrigos da cidade. "Uma vez por ano, as autoridades fazem uma licitação para o recolhimento de animais. O pagamento depende do número de cachorros recolhidos. Quanto mais animais, mais dinheiro", critica Ivanova-Werchovskaya.

"Os animais são registrados nos abrigos, mas o número de vagas é limitado. Todos os abrigos estão superlotados", afirma Ivanova-Werchovskaya. Segundo ela, ninguém controla a lotação dos abrigos.

Este ano estão previstos 900 milhões de rublos para o recolhimento e abrigo de cachorros de rua na Rússia. No ano passado foram gastos 670 milhões. Apesar de os recursos disponíveis serem maiores, a situação nos abrigos superlotados piora a cada ano. A maioria das unidades da capital não tem nem mesmo água corrente.

"Os animais recebem a água que é levada para lá. Muitas vezes não há água. As gaiolas são velhas construções de madeira e precisam ser constantemente reparadas. Só há dinheiro para pequenos consertos, mas isso não basta", afirma Ivanova-Werchovskaya.

Matança indiscriminada

Ativistas alertam contra o encerramento do programa para esterilizar e vacinar cães de rua também em outras cidades. O projeto já foi proibido pela Justiça russa em Rostov do Don, em 2016, com o argumento de que soltar os animais coloca em risco a segurança pública.

"Ou seja, pode-se recolher e abrigar os animais, só que não há mais lugar nos abrigos. Soltá-los de novo é proibido. Assim, com o uso dos mais variados pretextos, os animais acabam sendo mortos", afirma Ivanova-Werchovskaya. Para que tudo ocorra dentro da lei, raiva ou elevada agressividade são diagnosticadas – sem qualquer verificação.

Além dos editais públicos, as cidades também fecham contratos diretos com empresas para a captura de um determinado número de animais. Mas apenas uma quantidade ínfima deles vai parar num abrigo – estima-se que apenas um a cada dez. Nos demais são constatadas doenças, e eles são mortos.

"Nas proximidades de Moscou havia um caso escandaloso no qual – para economizar dinheiro com soníferos – os cães eram queimados vivos", diz a ativista Viktoria Pavlenko. Segundo ela, a maioria das empresas que vencem os editais não tem qualquer escrúpulo na hora de lidar com os animais. "Na maioria das vezes, os cães são mortos já na captura ou são sedados ainda durante o transporte", critica.

Nova lei para o tratamento 

Os ativistas lutam por uma lei geral para o correto tratamento dos animais, que permita o recolhimento, esterilização e soltura de cães sem dono. Um projeto de lei nesse sentido já foi aprovado em primeira análise. Mas a segunda e a terceira análise são constantemente adiadas.

Quem ganha com isso são as empresas que se ocupam do recolhimento de animais, mas também autoridades locais. "A matança de animais sem dono é um negócio extremamente corrupto, muito caro e ineficiente", diz Ivanova-Werchovskaya. Também empresas farmacêuticas, que fabricam e vendem soníferos, ganham com isso.

No fim de 2017, ativistas fizeram uma greve de fome nas proximidades do Parlamento russo. Eles exigiam a aprovação do projeto de lei para o tratamento correto de animais. Outros ativistas organizaram vigílias em Moscou. Também em outras cidades russas houve manifestações. Mas não houve qualquer reação das autoridades.

__________________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram

Leia mais