Rússia rechaça acusação de ″barbárie″ na Síria | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 26.09.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Oriente Médio

Rússia rechaça acusação de "barbárie" na Síria

Moscou afirma que tom e retórica dos EUA e Reino Unido são inadmissíveis e podem prejudicar relações bilaterais. Na ONU, potências criticaram duramente a participação da Rússia na guerra civil síria.

A Rússia rechaçou nesta segunda-feira (26/09) as acusações feitas pelos Estados Unidos e pelo Reino Unido, no dia anterior, de que Moscou estaria piorando a carnificina na Síria, enquanto aviões russos e das forças do presidente Bashar al-Assad continuam bombardeando Aleppo.

"Consideramos o tom e a retórica dos representantes do Reino Unido e dos Estados Unidos inadmissíveis. Elas podem prejudicar e danificar as relações entre os nossos países e o processo de paz" na Síria, disse à imprensa o porta-voz da presidência russa, Dmitri Peskov.

No domingo, durante a reunião de emergência do Conselho de Segurança das Nações Unidas, Moscou e Damasco foram repetidamente condenados por suas operações na Síria.

Samantha Power, embaixadora dos EUA na ONU, afirmou: "O que a Rússia está patrocinando não é contraterrorismo, é barbárie". "Em vez de buscar a paz, Rússia e Assad fazem a guerra. Em vez de fazer com que ajuda essencial chegue aos civis, Rússia e Assad estão bombardeado comboios [humanitários], hospitais e socorristas que tentam desesperadamente manter as pessoas vivas."

Por sua vez, os ministros do Exterior francês e britânico acusaram Moscou de apoiar o regime de Assad na prática de crimes de guerra na Síria. "É difícil negar que a Rússia esteja numa parceria com o regime sírio para cometer crimes de guerra", disse o embaixador britânico na ONU, Matthew Rycroft.

Nesta segunda-feira, Peskov caracterizou a situação na Síria como "extraordinariamente complicada" e voltou a acusar os rebeldes de usarem o cessar-fogo – intermediado pelos EUA e Rússia e fracassado na semana passada – para "se reagrupar e renovar o seu arsenal" para novas ofensivas.

O porta-voz destacou que, apesar de os termos do cessar-fogo serem "pouco eficazes", Moscou "não perdeu a esperança nem a vontade política" de dar continuidade ao processo de paz na Síria. "Até agora, tem sido difícil", alegou Peskov.

Na quinta-feira passada, o Exército sírio anunciou uma operação para expulsar os rebeldes da parte oriental de Aleppo. Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, ao menos 124 pessoas, a maioria civis, foram mortas em bombardeios sírios e russos desde então.

Antes da reunião do Conselho de Segurança da ONU, o secretário-geral da entidade, Ban Ki-moon, condenou o que chamou de "o mais contínuo e intenso bombardeio desde o início do conflito na Síria [em 2012]". Ban pediu que as potências mundiais "trabalhem com mais afinco para pôr fim ao pesadelo". Em cinco anos, a guerra já deixou mais de 300 mil mortos e milhões de deslocados.

EK/afp/efe/lusa

Leia mais