Rússia quer renovar arsenal nuclear apesar de negociar desarmamento com os EUA | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 18.05.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Rússia quer renovar arsenal nuclear apesar de negociar desarmamento com os EUA

EUA e Rússia começam a negociar um novo acordo para redução de armas nucleares estratégicas. Mesmo assim, o governo em Moscou anunciou que pretende modernizar seu arsenal atômico. Um paradoxo?

default

Moscou considera míssil Topol-M uma garantia de segurança para a Rússia

Em 8 de maio último, um desfile militar na Praça Vermelha, em Moscou, comemorou a vitória russa sobre a Alemanha nazista na Segunda Guerra Mundial. O orgulho das Forças Armadas: o Topol-M, um míssil intercontinental móvel com ogivas nucleares, testado pela primeira vez com êxito em 2004. O presidente russo, Dimitri Medvedev, o considera o principal apoio à futura defesa do país.

"A primeira tarefa é elevar a prontidão de combate das Forças Armadas. Isso deve acontecer sobretudo através de armas nucleares estratégicas", declarou Medvedev, fazendo também um apelo para que as Forças Armadas cumpram sua função e garantam a segurança militar da Rússia.

Arsenal russo está ultrapassado

Desarmamento e ao mesmo tempo modernização do arsenal russo? Fato é que a Rússia, quanto às armas convencionais, ainda está aquém do poderio norte-americano. E também quanto ao arsenal atômico, a posição de Moscou é mais forte no papel do que na realidade. Grande parte do enorme potencial nuclear russo está ultrapassada, afirmam especialistas. Se o presidente norte-americano, Barack Obama, e Medvedev pretenderem reduzir o número de ogivas para 1.500, isso virá a calhar para a Rússia.

Alexander Nikitin, diretor do centro para segurança euroatlântica em Moscou, confirma que muitos mísseis russos estão ultrapassados: "Os antigos precisam ser substituídos por novos. Por isso, a Rússia deposita sua confiança nos mísseis Topol e Topol-M. E destes há centenas, e não milhares."

Desde a Guerra Fria, a Rússia e os Estados Unidos se mantiveram ligados por meio de inúmeros acordos militares. Ambas as partes também reconheceram que a intimidação militar pode funcionar com muito menos que as mais de 3 mil ogivas que cada um possui.

Escudo antimíssil no Leste Europeu pode entravar negociações

Em 2002, os presidentes Bush e Putin já haviam acertado uma redução para 2.200 mísseis. Agora, Medvedev e Obama querem restringir ainda mais. Sobretudo para a Rússia, no entanto, não se trata apenas de números. Moscou precisa de um acordo que substitua o Start, que expira no fim do ano, pois essa seria a única forma de continuar exercendo controle sobre o potencial estratégico dos EUA.

Além de detalhes técnicos que poderão entravar as negociações de um novo acordo, o que também poderá gerar conflito é o plano norte-americano de um sistema de defesa antimíssil no Leste Europeu. Mesmo que o presidente Obama esteja se mostrando mais flexível do que seu antecessor, a Rússia encara como agressão o plano de instalar bases na Polônia e na República Tcheca. Caso os EUA resolvam realmente implementar o sistema, não haverá um consenso sério de desarmamento com a Rússia.

Quanto a esse assunto, existe um potencial de conflito suficiente entre ambos os países. E até dezembro, quando o antigo acordo Start deixará de vigorar, não há muito tempo para viabilizar um acerto.

Autor: Erik Albrecht

Revisão: Rodrigo Abdelmalack

Leia mais