Rússia promete retirar suas tropas da Geórgia em um mês | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 08.09.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Rússia promete retirar suas tropas da Geórgia em um mês

Decisão é tomada após reunião entre os presidentes Medvedev e Sarkozy em Moscou. Russos concordam também com o envio de missão de observadores da União Européia à Geórgia.

default

Dimitri Medvedev (e) e Nicolas Sarkozy mantiveram encontro em Moscou

A Rússia concordou com a completa retirada de suas tropas da Geórgia – com exceção das províncias separatistas da Ossétia do Sul e da Abhkázia – em até um mês. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (08/09) pelos presidentes russo, Dimitri Medvedev, e francês, Nicolas Sarkozy, após reunião em Moscou.

"Em um mês as tropas russas terão deixado o território da Geórgia, com exceção, é claro, da Ossétia do Sul e da Abkházia", declarou Sarkozy. Medvedev disse que a França e a União Européia teriam lhe assegurado que o governo da Geórgia renunciará ao uso da violência.

A condição para a saída russa, segundo Medvedev, é que até 1º de outubro seja enviada uma missão de ao menos 200 observadores da União Européia (UE) às zonas-tampão em torno das províncias separatistas da Ossétia do Sul e da Abhkázia. A missão internacional terá como objetivo garantir o cumprimento do acordo de cessar-fogo.

Em relação à Abkházia, Medvedev assegurou que as tropas russas estacionadas nos arredores da cidade portuária de Poti, na costa do Mar Negro, serão retiradas em uma semana. Ele se referia a cinco postos de controle entre Poti e Sinaki.

Geórgia e Otan

Também ficou acertado que no próximo dia 15 de outubro será realizada uma conferência internacional em Genebra para debater o futuro das regiões separatistas.

Mas Medvedev voltou a reiterar sua posição sobre o reconhecimento da independência da Ossétia do Sul e da Abkházia pela Rússia. Ele disse que a decisão é irreversível e definitiva. Já a UE condenou o reconhecimento unilateral das duas regiões pela Rússia. "A Rússia não tem o direito de traçar as fronteiras da Geórgia", afirmou Sarkozy.

O representante russo junto à Otan, Dimitri Rogozine, disse que a Rússia cessará toda a cooperação com a Otan sefor preparado o caminho para a adesão da Geórgia à aliança militar. A entrada da Geórgia na Otan é interpretada como uma ameça por Moscou.

Sarkozy foi a Moscou acompanhado pelo chefe da diplomacia européia, Javier Solana, e pelo presidente da Comissão Européia, José Manuel Durão Barroso. A missão da UE irá agora a Tbilisi, para negociar com o presidente Mikhail Saakashivili. A França ocupa a presidência rotativa semestral da União Européia.

Leia mais