1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Rússia nega aumento de presença militar na Síria

Moscou alega que toda sua assistência militar a Damasco está de acordo com as leis internacionais e defende que Assad deveria ser incluído em qualquer coalizão de combate ao "Estado Islâmico".

A Rússia negou nesta quinta-feira (10/09) ter aumentado sua presença militar na Síria e tentou dissipar a crescente pressão internacional que vem enfrentando nos últimos dias – em função do que os Estados Unidos e seus aliados do Golfo temem ser o prelúdio de uma intervenção no país árabe.

Moscou alega que toda sua assistência militar a Damasco está de acordo com as leis internacionais e que seus efetivos, incluindo especialistas militares, estão presentes em solo sírio há anos. De fato, nunca foi mistério que o Kremlin auxilia o ditador Bashar al-Assad, aliado de longa data, praticamente desde o início da guerra civil.

"Nossa presença militar nunca foi um segredo. Nossos especialistas militares trabalham lá, ajudando o Exército sírio a se adaptar ao nosso armamento. A Rússia não está adotando nenhum passo adicional", disse o chanceler Serguei Lavrov em entrevista coletiva. "A pedido e de acordo com o governo sírio e os governos de outros países da região, se trata de ajudá-los na luta contra o terrorismo."

Porém, nesta semana, fontes libanesas disseram que tropas russas estão começando a participar de operações de combate na Síria e estabelecendo novas bases no país. Segundo fontes americanas, soldados e equipamentos russos estão entrando na Síria por ar e mar.

Segundo Lavrov, nos aviões fretados com destino à Síria, a Rússia envia produção militar em consonância "com contratos vigentes e ajuda humanitária". Mas, devido aos temores de que os aviões transportem armamento e tropas, a Bulgária fechou seu espaço aéreo aos russos nesta semana. Os búlgaros disseram que futuros voos só serão permitidos se sua carga for inspecionada.

Na quarta-feira, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, manifestou preocupação. "Estou preocupado com os relatos sobre o aumento da presença militar russa na Síria. Isso não contribuirá para resolver o conflito", disse, defendendo uma solução diplomática para o conflito sírio.

Os Estados Unidos e seus aliados estão conduzindo uma ofensiva aérea contra o "Estado Islâmico", mas também se opõem a Assad, cujas forças vêm lutando contra uma série de grupos insurgentes.

Lavrov, porém, afirmou que não envolver as forças de segurança sírias na coalizão para combater o EI é um “erro colossal”.

O presidente russo, Vladimir Putin, reconhece que Moscou fornece armamento à Síria e também ao Irã para combater o terrorismo jihadista, mas nega planos de mobilização de tropas ou o uso da aviação para bombardear as posições do EI.

Segundo a imprensa americana, o secretário de Estado americano, John Kerry, manifestou a Lavrov no fim de semana passado sua preocupação sobre uma possível intervenção militar russa no país árabe.

CN/afp/ap/dpa

Leia mais