1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Rússia assina tratado com Ossétia do Sul

No aniversário da anexação da Crimeia, Moscou firma pacto de aliança e integração e passa a ser responsável pela defesa da região separatista da Geórgia. UE afirma que atitude pode abalar estabilidade regional.

default

Tibilov (esq.) e Putin

A Rússia reforçou nesta quarta-feira (18/03) seu controle sobre a Ossétia do Sul, região separatista da Geórgia. O líder da região, Leonid Tibilov, e o presidente russo, Vladimir Putin, assinaram o chamado Tratado de Aliança e Integração, apesar da condenação por parte do Ocidente.

Segundo o pacto, a Rússia passa ser oficialmente responsável pela defesa da Ossétia do Sul. Milhares de soldados russos estão estacionados na república autodeclarada desde uma guerra contra a Geórgia em 2008.

Autoridades da Geórgia condenaram o tratado – semelhante ao que foi firmado entre Moscou e o enclave separatista da Abkázia no ano passado –, considerando-o uma anexação de facto de seu território por parte da Rússia. As regiões da Ossétia do Sul e da Abkázia se separaram da Geórgia após guerras civis nos anos 1990, depois do fim da União Soviética.

Antes da assinatura do pacto, a chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, afirmou que o Tratado de Aliança e Integração seria mais uma atitude da Rússia "que vai contra os esforços para assegurar a segurança e estabilidade da região".

A assinatura do controverso pacto de integração da Ossétia do Sul vem no momento em que a Rússia comemora um ano da anexação da península da Crimeia, numa atitude amplamente condenada por Kiev e líderes ocidentais.

A Anistia Internacional acusa as autoridades pró-Moscou da Crimeia de levarem adiante uma "impiedosa campanha de intimidação para silenciar dissidentes" na península.

"Desde a anexação da Crimeia pela Rússia, as autoridades usam táticas para reprimir os dissidentes. Uma série de sequestros ocorreu entre março e setembro, fazendo com que muitos críticos do regime deixassem a região", afirmou John Dalhuisen, diretor para a Europa e Ásia Central da organização de defesa dos direitos humanos.

RC/afp/dw

Leia mais