1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Rússia admite que regime sírio também tem responsabilidade em massacre

Mudança de curso: Moscou admite no Conselho de Segurança corresponsabilidade de Damasco em massacre que matou 108 e feriu 300 pessoas. Nova onda de violência pode anular perspectivas do plano de paz de Kofi Annan.

O ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, responsabilizou nesta segunda-feira (28/05) tanto o Exército sírio quanto a oposição pelo massacre na cidade de Hula, no centro da Síria. Em encontro com seu colega de pasta inglês, William Hague, em Moscou, Lavrov comentou que "aparentemente ambas as partes" teriam tido uma participação.

Russland Großbritannien Außenminister Treffen Lavrov Hague

Ministros do Exterior Lavrov (d.) e Hague

A carnificina da última sexta-feira fez pelo menos 108 vítimas fatais, entre as quais muitas crianças, e mais de 300 feridos. "Sabemos que o exército oposicionista, pelo menos suas facções mais radicais, recebe sinais contínuos para não suspender [a luta]", comentou o chefe da diplomacia russa.

Lavrov insistiu que se implemente o plano de seis pontos para terminar o conflito na Síria, proposto pelo enviado especial para o país, Kofi Annan. A comunidade internacional precisa esforçar-se em conjunto no sentido desse plano, "e não para provocar uma mudança de regime" em Damasco, sublinhou o político do Kremlin. O ministro britânico Hague também alertou para a ameaça de "caos e guerra civil", caso o plano de Annan não seja aplicado.

Condenação velada

Até o momento, Moscou e Pequim vinham bloqueando uma condenação da Síria pelo Conselho de Segurança da ONU. Contudo as declarações de Lavrov anunciam uma mudança de curso por parte dos russos, e há perspectiva de sua colaboração com os Estados Unidos.

A China também se mostra mais crítica em relação a Damasco. O porta-voz do Ministério do Exterior em Pequim, Liu Weimin, declarou que seu país estaria profundamente chocado pelas ocorrências da última sexta-feira, cujas circunstâncias precisariam ser examinadas de perto.

Segundo o jornal New York Times, é meta do presidente norte-americano, Barack Obama, com o apoio de seu homólogo russo, Vladimir Putin, atuar para a queda do regime de Bashar al Assad. A intenção é forçar o presidente sírio a entregar o poder, substituindo-o por um governo interino. Outros representantes do regime em Damasco poderiam ser mantidos em seus cargos.

Em sua mais recente resolução, o Conselho de Segurança se refere ao massacre de Hula, apontando que na ofensiva contra áreas residenciais da cidade houve "diversos disparos de artilharia e tanques de combate por parte de tropas do governo". O órgão diz condenar "com as palavras mais fortes possíveis" essa "abominável violência contra a população civil".

Com cerca de 20 linhas, a concisa resolução é uma das mais diretas expedidas pelo Conselho da ONU em relação à crise síria, que já dura mais de um ano e custou mais de 10 mil vítimas. Ainda assim, o documento continua não contendo uma condenação direta do governo Assad.

Syrien Massaker in Huola

Vítimas do massacre em Hula

Más perspectivas de paz

Enquanto isso, a violência persiste, também em outras partes do país árabe. Segundo dados do comitê de coordenação local, na província de Hama neste domingo pelo menos 33 pessoas foram mortas por disparos ou granadas das tropas do governo. Além disso, agências de notícias registraram um atentado na região de Damasco, onde diversos soldados teriam morrido na explosão de um ônibus.

O enviado especial Kofi Annan é esperado nesta segunda-feira em Damasco. O ex-secretário-geral da ONU, que age em nome das Nações Unidas e da Liga Árabe, negociou durante semanas com o regime Assad, apresentando um plano de paz.

No entanto, após a tragédia em Hula, esse plano possivelmente passou a ser pura teoria. A oposição declarou não se sentir mais comprometida com um cessar-fogo, diante das atuais circunstâncias.

AV/dw/dpa/rtr
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais