1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Quinze anos de crises no Haiti

As datas mais marcantes da história do Haiti desde que Jean Bertrand Aristide assumiu a presidência do país pela primeira vez, em fevereiro de 1991:

– Fevereiro de 1991: Jean-Bertrand Aristide assume a presidência do Haiti após ganhar as eleições realizadas no final de 1990.

– Setembro de 1991: Aristide é derrubado por um golpe liderado pelo general Raoul Cédras e obrigado a partir para o exílio.

– Outubro de 1994: Aristide, reconhecido como presidente legítimo pela comunidade internacional, volta ao poder, protegido por tropas americanas. Nos anos seguintes, são realizadas várias eleições denunciadas como fraudulentas pela oposição, dentre elas o pleito de dezembro de 1995, vencido por René Préval, partidário de Aristide.

– Dezembro de 2000: Aristide volta a ganhar as eleições presidenciais com 91% dos votos, mas uma participação muito baixa, e em meio aos protestos da oposição.

– 2002: Sucessivas rodadas de negociação entre o partido governista e a oposição são realizadas sem sucesso. Crescem a violência e a insatisfação. Os EUA, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e a União Européia (UE) suspendem sua ajuda econômica. Em agosto, começam distúrbios nos quais os manifestantes pedem a renúncia de Aristide.

– Janeiro de 2003: Dias de greve convocados pela entidade patronal e pela Sociedade Civil, que reúnem 184 organizações contra o presidente.

– 23 de setembro de 2003: Assassinato de Amiot Métayer, chefe do grupo Exército Canibal, antigo aliado de Aristide. Seus partidários culpam o presidente pela morte. Aumentam os protestos.

2004

– Janeiro: A explosão popular se estende a todo o país. A Frente de Resistência contra Aristide conquista o controle de Gonaives, no norte, e marcha em direção à capital. Nas semanas seguintes, os rebeldes tomam várias cidades. Os EUA, a Organização dos Estados Americanos (OEA) e a UE tentam facilitar uma saída pacífica para a crise.

– 29 de fevereiro: Aristide abandona o país e é sucedido pelo presidente da Suprema Corte, Boniface Alexandre. O Conselho de Segurança da ONU autoriza o envio de uma força militar multinacional.

– 1º de março: Aristide chega à República Centro-Africana e denuncia ter sido seqüestrado e vítima de um golpe de Estado, alegações que EUA e França rejeitam.

– 3 de março: O presidente da Comunidade do Caribe (Caricom), Percival Patterson, duvida do abandono voluntário do poder por parte de Aristide. Cuba, Venezuela e África do Sul falam de ingerência americana.

– 9 de março: Gérard Latortue é eleito primeiro-ministro.

– 30 de abril: O Conselho de Segurança da ONU cria uma missão de paz de 6700 soldados e 1622 policiais civis.

– 1º de junho: É estabelecida a Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah), com efetivos de 23 países. O Brasil comandaria as operações militares da Minustah.

– 12 de julho: O secretário-geral da ONU, Kofi Annan, nomeia o chileno Juan Gabriel Valdés seu representante especial e chefe da missão.

– 20 de setembro: A tempestade tropical Jeanne deixa 2500 vítimas, entre mortos e desaparecidos.

– 29 de novembro: A ONU prorroga a missão por seis meses, até 1º de junho de 2005.

2005

– 26 de fevereiro: 12 mortos em diferentes bairros de Porto Príncipe em ataques dos "chimères", grupos armados formados por partidários de Aristide.

– 21 de março: Morrem os dois primeiros capacetes azuis.

– 9 de abril: O autoproclamado comandante dos ex-militares haitianos Ravix Rémissainthe e três de seus partidários morrem em confronto com os capacetes azuis e policiais locais.

– 18 de abril: Morrem 20 rebeldes em confrontos com os capacetes azuis e a polícia, na tentativa de capturar o líder rebelde "Dread Wilmé".

– 5 de junho: Pelo menos 25 pessoas morrem em confrontos entre partidários de Aristide e a polícia em Porto Príncipe.

– 22 de junho: O Conselho de Segurança da ONU prorroga até 15 de fevereiro de 2006 o mandato da missão Minustah.

– 7 de novembro: Renuncia o comitê de apoio ao Conselho Eleitoral Provisório (CEP) do Haiti, "grupo de sábios", criado no mês anterior.

– 12 de dezembro: O presidente da República Dominicana, Leonel Fernández, se vê obrigado a encurtar sua visita ao Haiti devido aos protestos contra sua presença.

– 20 de dezembro: Morre um policial canadense em um tiroteio no conflituoso bairro de Cité Soleil, na capital. Continuam a violência e os seqüestros.

– 24 de dezembro: Morre um soldado jordaniano da Minustah atingido por disparos quando fazia patrulhamento.

– 30 de dezembro: Suspensas pela quarta vez no ano as eleições presidenciais e legislativas que deveriam ter sido realizadas em 8 de janeiro.

2006

– 7 de janeiro: Aparece morto, com um tiro na cabeça no quarto de seu hotel, o general brasileiro Augusto Heleno Ribeiro, chefe militar da Minustah.

– 8 de janeiro: O governo haitiano marca as eleições presidenciais e legislativas para 7 de fevereiro.

– 12 de janeiro: Uma pessoa morre na fronteira com a República Dominicana durante os protestos contra a morte de 25 haitianos no país vizinho.

– 17 de janeiro: Dois capacetes azuis jordanianos morrem em confrontos com grupos armados. Com estas baixas, as forças da Minustah somam dez mortos.

– 23 de janeiro: O general brasileiro José Elito Carvalho de Siqueira assume o cargo de comandante-em-chefe das tropas da ONU no país.

– 27 de janeiro: Libertados três franceses, dentre eles uma freira, poucas horas depois de terem sido seqüestrados no país. (EFE)