1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

"Quero diminuir o ódio": Daniel Barenboim faz 65 anos

Além de regente e pianista mundialmente aclamado, ele é também o autor de diversas iniciativas pela paz no Oriente Médio e a educação através da música. Para Barenboim, a música é uma forma de ultrapassar fronteiras.

default

Daniel Barenboim à frente da West-Eastern Divan Orchestra

Daniel Barenboim é um verdadeiro cidadão do mundo. Judeu israelense-argentino de ascendência russa, ele tem por hábito questionar a forma como os fatos se lhe apresentam, tanto na qualidade de músico quanto na de ente político.

Nesta quinta-feira (15/11), o diretor musical da Deutsche Staatsoper, titular da orquestra Staatskapelle Berlin e pianista de exceção completa 65 anos.

Criança-prodígio, fenômeno

Daniel Barenboim und Jacquelin du Pre Kalenderblatt

Em 13 de junho de 1968, ao lado da violoncelista Jacqueline du Pré, então sua esposa

"A música pode ser a melhor escola para a vida, e ao mesmo tempo a melhor forma de escapar-lhe." Esta frase não só conclui a autobiografia de Barenboim, como é o leitmotiv de suas 330 páginas.

Ao abandonar Buenos Aires com a família para se radicar em Israel, aos 10 anos, seu caminho passa por Salzburgo. Lá o "menino-prodígio" dá o primeiro concerto como pianista. Dois anos mais tarde o grande maestro alemão Wilhelm Furtwängler o vê regendo e fala de um "fenômeno".

Daniel torna-se aluno-modelo da "escola musical da vida" e assim se expõe às feridas do mundo. Um fato com que muitos de seus compatriotas em Israel não se conformam até hoje.

O anti-semita em Jerusalém

Em 2001, ele causa um escândalo de proporções internacionais ao reger com a Staatskapelle Berlin um trecho do Tristão e Isolda de Richard Wagner em Jerusalém. Trazer o compositor anti-semita ao país dos sobreviventes do Holocausto é uma quebra de tabu sem precedentes. As conseqüências são críticas, insultos e chamados ao boicote.

Mais tarde Barenboim explicará: ele se decidira a apresentar Wagner na véspera após, durante uma coletiva de imprensa, ouvir um toque de celular: a Cavalgada das Valquírias, do mesmo compositor alemão.

Música como transgressão de fronteiras, linguagem lá onde as palavras talvez não digam o suficiente.

Orquestra goetheana

Em 1999, Daniel Barenboim reuniu em Weimar – a apenas poucos quilômetros do antigo campo de concentração de Buchenwald – israelenses, sírios, jordanianos, egípcios e palestinos numa orquestra jovem. Em alusão ao escritor Wolfgang Goethe, o grupo recebeu o nome West-Eastern Divan Orchestra.

Para o músico natural da Argentina, trata-se de um "esperançoso sinal para o futuro", onde, num conflito pleno de ódio, quase ninguém conhece as pessoas "do outro lado".

Há apenas dois critérios de admissão na West-Eastern Divan: competência musical e o ponto de vista de que a guerra não é um meio de resolver os conflitos no Oriente Médio. Ao longo de poucos anos, a orquestra já tocou em numerosos países.

Beethoven pela paz

BdT Deutschland Musik Manon Berliner Staatsoper Daniel Barenboim und Anna Netrebko

Na Berliner Staatsoper, com a soprano russa Anna Netrebko

Em 2002, em Ramallah, Barenboim executou para um público de estudantes a Sonata "Ao luar", de Ludwig van Beethoven. A capital "de fato" da Palestina encontrava-se então marcada por combates.

"Não sou político", declarou ao jovem público. Mas, apesar de não ter um plano para acabar com o conflito, é capaz de fazer música, continuou. "E espero contribuir um pouco para diminuir o ódio."

Há anos existe em Ramallah, e recentemente também em Berlim, um jardim-de-infância especial, iniciado por ele. Sua finalidade não é a educação musical, mas sim a educação através da música. "Pois não acho bom que a música seja feita ou para ricos ou para pobres."

Humanista distanciado

O maestro lamenta que as aulas de música sejam as menos freqüentadas nas escolas alemãs. Segundo ele, o fato demonstra que o ensino se tornou vítima da burocracia.

Em seus concertos na Filarmônica de Berlim, o músico de 65 anos parece menos acessível do que os colegas Simon Rattle ou Ingo Metzmacher. Porém o mais idoso deste triunvirato de grandes regentes continua sendo o que mais se preocupa em divulgar a mensagem humanista, nos talkshows e debates políticos de que participa. (av)

Leia mais