Queda do governo tcheco põe em risco Tratado de Lisboa | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 25.03.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Queda do governo tcheco põe em risco Tratado de Lisboa

Voto de desconfiança contra governo da República Tcheca, país que exerce a presidência semestral da União Europeia, poderá afetar ratificação do tratado de reformas da UE.

default

Mirek Topolanek: cinco moções de desconfiança em dois anos

O Parlamento tcheco aprovou nesta terça-feira (24/03) uma moção de censura contra o governo do primeiro-ministro da República Tcheca, Mirek Topolanek. O premiê de 52 anos chefiava um governo de minoria formado por três partidos. Ele aceitou o resultado da votação e disse que apresentará sua renúncia.

Este foi o quinto voto de desconfiança contra Topolanek desde que ele assumiu o governo, em janeiro de 2007. A moção de censura recém-aprovada pelo Parlamento foi apresentada em decorrência de acusações contra um conselheiro do premiê suspeito de exercer pressão contra a televisão estatal. Além disso, Topolanek voltou a ser alvo de críticas por causa de sua política frente à crise econômica.

O fato provocou apreensão em Bruxelas, pois o país ocupa a presidência semestral rotativa do Conselho Europeu até final de junho e Praga ainda não ratificou o Tratado de Lisboa, que prevê reformas no bloco de 27 países.

A oposição social-democrata tcheca anunciou que pretende tolerá-lo à frente do governo até o final do mandato na presidência europeia. Segundo a Constituição do país, o presidente Václav Klaus dispõe de tempo para convocar um novo governo.

UE espera continuidade

Em declaração, a Comissão Europeia demonstrou a confiança de que, apesar da queda do governo, Praga possa concluir seu mandato na presidência da União Europeia (UE) de forma efetiva. O eurodeputado democrata-cristão alemão Elmar Brok manifestou ao jornal Financial Times Deutschland a preocupação de que a República Tcheca não ratifique o Tratado de Lisboa.

"O eurocético Václav Klaus pode derrubar o projeto de reformas de uma vez por todas", opinou Brok. Antes de o país assumir a presidência da UE, Klaus havia dito que seria desnecessário seu país ocupar o posto, pois as decisões só seriam tomadas pelos grandes países do bloco.

O tratado só pode entrar em vigor após a ratificação em todos os 27 países-membros da UE, mas ainda está em aberto na Irlanda e ainda precisa da aprovação parlamentar na República Tcheca. Segundo Brok, o premiê perdeu um instrumento para pressionar seus parlamentares a votarem a favor do documento.

Liderança enfraquecida

Logo após tomar conhecimento do resultado da votação, Topolanek declarou que sua derrota não afetará a presidência da UE. Mesmo assim, observadores acreditam que sua autoridade estará enfraquecida não só na chefia do bloco em busca de soluções para a crise, como em eventos importantes na agenda da UE. Um deles é o encontro dos chefes de Estado e de governo do bloco com o presidente norte-americano Barack Obama, marcado para 5 de abril, em Praga.

O governo tcheco é o terceiro no antigo bloco do Leste Europeu – após Letônia e Hungria – a cair por causa da crise econômica. Não é a primeira vez que um país na presidência rotativa do Conselho Europeu passa por uma mudança de governo.

No primeiro semestre de 1996, na Itália, a coligação dirigida por Romano Prodi venceu as eleições e substituiu o governo de Lamberto Dini. No primeiro semestre de 1993, isto já havia acontecido na Dinamarca, com a queda de Poul Schlüter e a eleição de Poul Nyrup Rasmussen.

RW/AS/dpa, afp, rtrd

Leia mais