1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Quebra de trégua da ETA indica conflito interno

As mortes do atentado de uma semana atrás no aeroporto de Madri foram as primeiras provocadas pela ETA depois de 2003. Segundo especialista, o inesperado atentado mostra indícios de divisões na organização clandestina.

default

Protesto contra negociações de paz com a ETA, em Madri

Uma semana após o atentado no aeroporto de Madri, foram encontrados os corpos dos dois homens desaparecidos. As explosões, que provocaram o desabamento de um edifício de estacionamento, deixaram também 26 pessoas feridas.

Os corpos dos equatorianos de 35 e 19 anos de idade foram encontrados, respectivamente nesta quarta e quinta-feira (04-05/01), por uma câmera miniatura, sob os escombros do edifício-garagem. Foram as primeiras mortes provocadas por atentados da ETA desde 2003.

Após o anúncio de suspensão das negociações de paz, o premiê José Luis Zapatero reiterou sua decisão de dar um fim à violência terrorista na Espanha. Na opinião de especialista, o inesperado atentado mostra indícios de divisões internas dentro da organização separatista Pátria Basca e Liberdade (ETA).

Prova de fogo

Spanien ETA erklärt Waffenruhe Jose Luis Rodriguez Zapatero in Parlament

Zapatero tem a paz como objetivo

Zapatero reconhece que as novas atividades da ETA representam uma dura prova política para seu governo. Desde o atentado do último sábado, o governo suspendera as negociações de paz com a organização clandestina.

Após visitar o local do atentado, nesta quinta-feira, Zapatero declarou, no entanto, estar "mais decidido que nunca a dar um fim à violência e conseguir a paz".

O premiê fora duramente criticado pela oposição conservadora por sua reação tardia e por ter visitado o local do atentado somente cinco dias após as explosões. Acredita-se que as negociações de paz deverão continuar suspensas pelo menos até as eleições parlamentares no começo do ano que vem.

Mais explosivos

ETA-Anschlag: Autobombe explodiert im Parkhaus des neuen Madrider Flughafens und verletzt 3 Personen

Carro-bomba provocou destruição do estacionamento

Pouco após a visita do primeiro-ministro ao aeroporto de Madri, a polícia encontrou cerca de 90 quilos de explosivos em um carro abandonado na localidade basca de Atxondo. Os explosivos estavam prontos para detonar, faltando somente o detonador.

Acredita-se que o carro foi abandonado pela ETA após a localização de um esconderijo do grupo, onde se encontrarams detonadores e outros 50 quilos de explosivos.

A procuradoria-geral espanhola proibiu o porta-voz da ETA, Arnaldo Otegi, de deixar o país. Otegi deveria participar da Conferência Rosa Luxemburgo, na próxima semana em Berlim. A ETA já se bate há quatro décadas pela independência do País Basco. Desde então, mais de 800 pessoas morreram nesta luta.

Sinais de divisão

Prof. Dr. Joachim Krause Professor für Politikwissenschaft und Geschäftsführender Direktor des Instituts für Sozialwissenschaften an der Christian-Albrechts-Universität zu Kiel

Para Joachim Krause, ETA apresenta divisão

Para o especialista Joachim Krause, diretor dos institutos de Ciência Política e de Política de Segurança da Universidade de Kiel, o inesperado atentado da ETA é um indicador de querelas dentro da organização clandestina.

Fazia três semanas apenas que a ETA havia concordado em iniciar as negociações de paz com o governo espanhol. Existe, com certeza, uma facção dentro da ETA que tenta interromper este processo de paz, informou Krause em entrevista à DW-WORLD.

O Partido Batasuna, braço político da ETA, não assumiu nenhuma responsabilidade pelas explosões. Krause afirma que isto não significaria, necessariamente, desavenças entre o grupo e o Batasuna. O partido já teria agido da mesma forma quanto a atentados da ETA no passado.

Dentro da ETA, não existiriam somente desavenças com seu partido político, mas também entre diferentes facções. Fato é que, nos últimos anos, nota-se um enfraquecimento da organização clandestina, cuja política não é bem aceita pela nova geração de jovens bascos, afirmou Krause.

Leia mais