Quarteto do Oriente Médio quer retomar ″road map″ | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 09.05.2006
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Quarteto do Oriente Médio quer retomar "road map"

Representantes da ONU, União Européia, EUA e Rússia procuram em Nova York o caminho de volta para o processo de paz. No centro da pauta: o Hamas e o auxílio financeiro aos palestinos.

default

Paz no Oriente Médio: quo vadis?

O chamado "Quarteto do Oriente Médio" – formado por representantes da ONU, União Européia, Estados Unidos e Rússia – debate nesta terça-feira (09/05), em Nova York, os destinos da região. A longo prazo, espera-se poder retomar o curso do plano internacional de paz, o road map.

A curto prazo, cabe resolver o problema urgente da ajuda financeira da comunidade internacional à Autoridade Nacional Palestina. No momento, a ajuda está suspensa, como forma de pressão contra o grupo radical islâmico Hamas, no poder desde janeiro último.

Do ponto de vista dos norte-americanos e da UE, o Hamas se trata de uma organização terrorista, pois tanto nega o direito de existência ao Estado de Israel, como apóia o uso da violência como meio político. O reconhecimento do Estado israelense é condição sine qua non para que as verbas voltem a fluir.

Wolfensohn critica

Até o momento, nem Israel, nem os EUA nem o Hamas se mostravam dispostos a ceder um milímetro, mesmo em face à situação cada vez mais precária nos territórios autônomos. Porém, antecipando este encontro em Nova York, pelo menos algo começou a se mover no cenário.

No início de maio, James Wolfensohn renunciou ao cargo de embaixador especial do Quarteto para o território palestino. Ele apelou para que o Hamas revisse sua posição quanto a Israel a ao terror.

Por outro lado, o ex-presidente do Banco Mundial acusou implicitamente os israelenses e o Ocidente de praticar uma política"devastadora" para o Oriente Médio: suspender radicalmente a ajuda financeira é arriscar o caos e a fome.

Jogo mortal de paciência

"Eu me espantaria, se chegássemos a algum resultado expulsando as crianças das escolas e permitindo uma catástrofe de fome", comentou Wolfensohn. Ele recorda que os palestinos dependem inteiramente das verbas da comunidade internacional. Contando com apenas 30 milhões de dólares por mês, a Autoridade Nacional já está, de fato, falida.

Segundo estimativas do Fundo Monetário Internacional, seriam necessários 45 milhões de dólares, apenas para manter o atendimento básico nos campos social e medicinal. Há dois meses, os salários do funcionalismo público não são pagos. Várias organizações confirmam a ameaça de uma catástrofe humanitária.

Pelas costas do povo palestino se desenvolve um cruel jogo de paciência. Simplificando, há duas possibilidades: ou o Hamas sai lucrando, ao se apresentar como vítima de uma "política de fome"; ou os palestinos optam pela moderação, congregando-se em torno do presidente Mahmud Abbas.

Moscou paga

Iran Atomstreit - Iranische Atomanlage Buschehr

Usina nuclear uraniana

Enquanto isso, a Rússia aproveita a ocasião para se destacar como potência autônoma dentro do Quarteto do Oriente Médio. Uma atitude semelhante à adotada durante o conflito sobre o enriquecimento de urânio pelo Irã.

Moscou considera o governo do Hamas como resultado de uma eleição democrática, há muito desejada, e com o qual é preciso viver, bem ou mal. "A posição russa não é razoável", critica Alexander Bahr, perito em assuntos russos da Fundação Alemã de Política Externa.

Em questões centrais, como abandono da violência, o direito de existência de Israel ou o road map, continua havendo consenso. Porém a intenção da Rússia é impedir que os norte-americanos tomem o leme no Oriente Médio, afirma Bahr.

Ignorando a oposição dos EUA, Moscou acaba de entregar oito milhões de dólares ao governo palestino, como ajuda imediata. E não exclui a possibilidade de novas verbas.

UE vai cedendo

Também o Japão e a Noruega anunciaram disposição de manter a ajuda humanitária, independentemente da ascensão do Hamas ao poder. E, ao mesmo tempo, a linha dura da UE começa a se fragmentar.

Louis Michel, comissário da UE para o Desenvolvimento e Ajuda Humanitária, anunciou 34 milhões de euros para fins sociais, pois o auxílio humanitário não está incluído no embargo do bloco europeu.

EU-Kommissarin Benita Ferrero Waldner

Benita Ferrero-Waldner, comissária do Exterior da UE, ouve as partes envolvidas

A comissária das Relações Exteriores da UE, Benita Ferrero-Waldner, exigiu que Israel pague os 50 milhões de dólares mensais de impostos devidos aos palestinos segundo o direito internacional. Além disso procura-se um "mecanismo internacional" para fazer chegar as verbas congeladas às mãos dos palestinos, sem passar pelo Hamas.

No meio tempo, discute-se nos Estados Unidos a criação de um fundo para os palestinos, onde se depositariam os 450 milhões de dólares originalmente planejados. Um porta-voz da Secretaria norte-americana de Estado declarou: "Vamos conversar a respeito". Quando? "Quando o tema vier à tona".

Leia mais