1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Quantos hectares de florestas podem ser salvos?

Cerca de doze mil hectares de florestas são destruídos por ano. E quantos são salvos? Este foi um dos temas do painel realizado durante a conferência internacional sobre a exploração sustentável das florestas, em Bonn.

default

Barca navegando no rio Amazonas

A proteção do meio ambiente é um tema ainda em voga embora sem o mesmo brilhantismo de alguns anos atrás, quando falar sobre a preservação de florestas e de sua exploração sustentável era sinônimo de engajamento, postura correta e visão de futuro. Hoje, as questões ambientais são tratadas com um certo marasmo pela população e governos, como se ambas as partes não tivessem interdependência para a solução dos problemas locais relacionados ao meio ambiente.

Além disso, os temas ambientais, especialmente os ligados ao desenvolvimento e à proteção das florestas, estão recheados de clichês que muitas vezes encobrem uma realidade bem mais ampla. Um exemplo é imaginar que apenas os pobres e miseráveis exploram suas matas e florestas sem qualquer consciência ecológica por estarem preocupados exclusivamente com sua sobrevivência. O que acontece, na maioria das vezes, é que são justamente os grandes latifundiários que exploram a terra na ânsia de ganhar cada vez mais. Esses não deixam de ser pobres, mas de espírito.

Essas considerações foram externadas em um painel realizado em Bonn, durante a conferência internacional que discute a exploração sustentável das florestas e a preservação da biodiversidade, promovido pela ONG Cifor. O debate contou com a presença de Achim Steiner, da IUCN; Sunita Narain, do Centro de Ciência e Desenvolvimento de Nova Délhi, na Índia; Claude Martin, da WWF; El Hadji Séne, da FAO, e Juan Mayr, ex-ministro do Desenvolvimento da Colômbia. A moderação ficou a cargo de Ranga Yogeshwar, apresentador de programas televisivos nas áreas de ciência e pesquisa.

Mais de uma perspectiva

Estima-se que 12 milhões de hectares são devastados a cada ano. E o outro lado da moeda? Quantos hectares são poupados do extermínio graças ao sucesso de projetos, da participação social, por exemplo? O desmatamento para a criação de zonas de cultivo ainda persiste e pode até ser admissível, desde que seja feito de forma adequada e que haja uma preocupação com o meio ambiente da região.

Muitos projetos visando este objetivo vêm sendo colocados em prática, embora a Rio 92 tenha apresentado muitas soluções que até hoje não saíram do papel. Um das idéias mais ousadas é a devolução do poder sobre as florestas às zonas rurais. "Este é o caminho do futuro", acredita Sunita Narain.

A mudança das leis fundamentais de administração também seria um importante passo. De nada adianta adotar medidas provisórias, de efeito imediato, que não são duradouras e realmente eficazes a longo prazo. A cada mudança de governo, as questões ambientais são reavaliadas de acordo com a conveniência. Uma postura que em nada contribui para o equilíbrio entre exploração e preservação das florestas.

Influência do poder econômico

A relação entre governos e interesses econômicos também pode ser um agravante para a economia rural. Com a globalização, a demanda mundial de produtos cresce consideravelmente. Isso não significa que o produtor esteja recebendo mais por isso. O número de intermediários também aumentou. Um bom exemplo é o café colombiano. A produção aumentou, o preço da saca no mercado internacional caiu, mas não houve repasse, ou seja, o consumidor continua pagando o mesmo preço e o produtor não recebe mais por isso.

"Isso não é novidade. O que me surpreende é a falta de mudança. O produtor acaba buscando plantios mais rentáveis, como o cultivo da cocaína. Isso sem contar com o aumento do êxodo rural. A solução é criar planos e projetos de médio e longo prazo", frisou o ex-ministro da Colômbia referindo-se à situação de seu país, que, em certos aspectos, não difere de outras realidades.

Otimismo x ceticismo

As opiniões, até então bastante uniformes, divergiram quanto à expectativa em relação ao futuro. Alguns expressaram desconfiança e um certo descrédito, enquanto outros foram mais otimistas em suas avaliações finais. Em um ponto, porém, todos concordam: os projetos que tiverem êxito devem ser adotados em outras comunidades.

O evento, que prossegue até a próxima sexta-feira (23/05), reuniu no primeiro dia do encontro todos os participantes para este painel de abertura. No plenário, cientistas, pesquisadores, representantes de ONGs, de instituições governamentais e entidades financiadoras. O Brasil marcou presença com especialistas de diversos estados, que vieram apresentar projetos que estão sendo implementados no país, além de buscar a troca de experiências.

Leia mais

Links externos