1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Quando o óbvio é contestável

Como os alemães analisam a familiaridade das brasileiras com as cirurgias plásticas. Diferenças de valores entre culturas divergentes.

default

Equipamento cirúrgico apresentado na feira Medica, em Düsseldorf

"Por que as brasileiras gostam tanto de fazer cirurgia plástica?" O título da reportagem do jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ) desta quinta-feira (25) levanta uma questão intrigante para os europeus, porém, sem muito fundamento para os brasileiros. A sua resposta está na ponta da língua de qualquer mulher de puro sangue verde-amarelo: Para ficar mais bonita, oras!?! O que não é selbstverständlich para os alemães ou óbvio para os latino-americanos é exatamente a diferença cultural, principalmente no que se refere a valores, para os cidadãos destas tão diferentes nações.

O culto ao corpo e a popularidade das plásticas entre as brasileiras são assuntos que já viraram capa de revista e artigo de jornal não só no Brasil como no exterior. Muitos deles consideram exagerada a procura pelas plásticas, mas a opinião a respeito dos especialistas do bisturi é unânime: "Cirurgiões brasileiros atuam internacionalmente e estão entre os melhores do mundo", confirma a reportagem do FAZ.

Para os alemães, mais intrigante do que a familiaridade dos brasileiros com o bisturi é o fato de estes fazerem questão de mostrar as beldades operadas. Quem é que não sabe que a Carla Peres já ganhou um novo nariz, maiores bustos e uma cinturinha mais fina? Na Alemanha, tudo é bem diferente. O cirurgião brasileiro Nelson Heller afirmou ao jornal alemão: "As alemãs preferem viajar para o exterior para esconder que fizeram plástica."

O Brasil é o primeiro da lista em números de cirurgias plásticas. No ano passado, foram feitas 350 mil operações – 207 para um grupo de 100 mil habitantes. Já os Estados Unidos, que ocupa o segundo lugar da lista, registrou uma relação de 185 plásticas para cada 100 mil pessoas. É por isso que personalidades, como Adriane Galisteu, se orgulham de dizer que nunca estiveram em uma mesa cirúrgica e são, mesmo, bonitas por natureza.

Conversando com Nelson Heller, o jornalista alemão Jens Soentgen do FAZ analisa as fotos das pacientes operadas e comenta os processos e os materiais cirúrgicos do especialista. Para explicar o formato e a textura de uma peça de silicone ele a compara com uma "medusa do mar do Norte" e com o material das solas de tênis. Além disso, ele se interessa exatamente pelo que, na verdade, ninguém se preocupa em saber quando procura um cirurgião plástico: o que é feito com os restos da cirurgias? "O lixo da clínica de Heller não é jogado fora, mas queimado" e – veja só – por uma empresa alemã. O artigo vai a fundo nos detalhes: "Todos os restos vermelhos e grudentos, incluindo gordura e cartilagens, produzem em média 20 sacos de lixo de 200 litros por semana." Um detalhe que soa um pouco estranho para uma reportagem que está se referindo a cirurgia plástica, estética e beleza. Parece que realmente os alemães não entendem muito desse assunto e, em matéria de beleza, o Brasil é o país desenvolvido.