1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Putin diz que Ocidente deveria pressionar Kiev

Em discurso, presidente russo culpa Ocidente por crise no leste ucraniano e pede pressão sobre Kiev. Segundo ele, Rússia está "aberta ao mundo" e disposta e aplicar sua influência para garantir a paz na região.

Em discurso nesta sexta-feira (19/06), o presidente russo, Vladimir Putin, culpou o Ocidente, especialmente os Estados Unidos, pela crise na Ucrânia e disse que, para solucioná-la, os países ocidentais deveriam pressionar Kiev.

O líder russo também disse que Moscou está disposta a aplicar sua influência no leste ucraniano pró-Rússia para que se chegue a um acordo e assegurar que o acordo de paz assinado em Minsk em fevereiro seja implementado por completo.

"Uma vez que houver decisões políticas, não haverá armas lá [no leste da Ucrânia]", disse, durante o Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo.

Apesar das tensões devido à crise na Ucrânia, Putin disse que Moscou está aberta a cooperar com o Ocidente. "A Rússia está aberta para o mundo", afirmou.

Putin ignorou as recentes tensões com o Ocidente, exaltando os sucessos de seu governo. "Gostaria de focar a atenção em questões econômicas", disse o líder russo, ressaltando que uma crise profunda, que muitos haviam previsto, não aconteceu. "Estabilizamos a situação. Temos um orçamento estável. Nossos sistemas financeiro e bancário adaptaram-se a novas condições."

O clima entre Moscou e o Ocidente é tenso há meses por conta dos confrontos entre tropas do governo e separatistas pró-Rússia no leste ucraniano. O Ocidente acusa a Rússia de apoiar os separatistas com armas e pessoal, o que os russos negam.

Ao discursar em São Petersburgo, o presidente russo também disse ter esperança de que as potências mundiais e o Teerã chegarão a um acordo definitivo sobre o programa nuclear iraniano em breve.

Além disso, Putin reiterou seu apoio ao líder da Síria, Bashar al-Assad, afirmando que derrubar o presidente faria o país, abalado por uma guerra civil, mergulhar em desordem ainda maior.

LPF/rtr/afp/dpa

Leia mais