1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Putin diz que abate de caça foi "punhalada nas costas dada por cúmplices de terroristas"

Presidente russo afirma que ataque ao SU-24 pela Turquia terá "consequências sérias". Ancara convoca reunião extraordinária da Otan. Rússia confirma morte de um dos pilotos e de soldado que participava do resgate.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou nesta terça-feira (24/11) que o abate de um avião militar russo pela Turquia foi "uma punhalada pelas costas" que vai ter "consequências sérias" nas relações entre os dois países.

A Turquia convocou uma reunião extraordinária da Otan, da qual é membro, enquanto o ministro do Exterior da Rússia, Serguei Lavrov, comunicou o cancelamento de uma viagem planejada ao país na quarta-feira e que visava diminuir diferenças sobre o conflito na Síria.

Após a reunião de emergência da Otan, o secretário-geral Jens Stoltenberg manifestou solidariedade com a Turquia e apelou à calma diante da situação de tensão. "Estamos solidários com a Turquia e apoiamos a integridade territorial do país, nosso aliado na Otan", disse.

Já o governo em Damasco classificou o incidente como "agressão flagrante à soberania síria" e uma "demonstração de apoio ao terrorismo".

Putin se mostrou extremamente irritado com episódio. "A perda de hoje foi uma punhalada nas costas que nos foi dada por cúmplices de terroristas", disse o presidente russo numa entrevista conjunta com o rei da Jordânia, Abdullah 2º, na cidade russa de Sochi, onde ambos se encontraram para discutir possíveis esforços na luta contra a organização extremista "Estado Islâmico" (EI).

Putin afirmou ainda que o petróleo extraído de território controlado pelos jihadistas é exportado através da Turquia, advertindo para uma forma de financiamento dos extremistas. "Estabelecemos há muito tempo que grandes quantidades de petróleo e derivados oriundas do território capturado pelo EI têm entrado no território turco", advertiu.

Türkei Syrien Kampfjet Russland Abschuss Grenzgebiet

Caça russo SU-24 em queda após ser derrubado por dois jatos F-16 da Força Aérea turca

"Naturalmente vamos analisar tudo o que se passou. E os eventos trágicos de hoje vão ter consequências sérias para as relações russo-turcas", advertiu Putin. Ele reiterou também que o avião russo caiu no território sírio, a quatro quilômetros da fronteira, e "não ameaçou de forma alguma a Turquia".

A Rússia convocou o adido militar turco em Moscou, enquanto a Turquia convocou o encarregado de negócios da Rússia para o Ministério do Exterior.

A Turquia insistiu no seu direito de defesa. "Todo mundo precisa saber que é nosso direito internacional e dever nacional tomar qualquer medida contra quem viola nossas fronteiras aéreas ou terrestres", disse o primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu.

Declaração semelhante foi dada pelo presidente Recep Tayyp Erdogan. "Todo mundo deve respeitar o direito da Turquia de proteger suas fronteiras", disse. Ele acrescentou que na região do ataque há turcomanos (sírios turcófonos) que combatem o regime do presidente sírio, Bashar al-Assad, e não combatentes do "Estado Islâmico".

O ministro do Exterior da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, pediu a Moscou e Ancara que mostrem "prudência e bom senso" e afirmou esperar que o abate do caça russo não dificulte novas conversações sobre uma solução para a crise síria.

Turquia alega invasão de território

O avião militar russo foi abatido por dois caças F-16 da Força Aérea da Turquia, que alegou que a aeronave russa teria violado o espaço aéreo do país. Militares turcos afirmaram ter emitido diversos alertas num espaço de cinco minutos, antes de derrubarem o caça russo SU-24.

"O avião violou o espaço aéreo turco dez vezes em cinco minutos, apesar das advertências", afirma comunicado do Exército turco. Essa versão foi apoiada por militares dos Estados Unidos.

A filial turca da emissora americana CNN publicou uma imagem de satélite que mostra o trajeto tanto da aeronave russa como o dos caças turcos. Os traços vermelhos são do SU-24.

Confirmada morte de um dos pilotos

Os dois pilotos conseguiram se ejetar da aeronave antes da explosão. Um deles teria sido morto por rebeldes sírios quando ainda estava no ar, de paraquedas.

Atualmente cursa na internet um

vídeo que supostamente mostra rebeldes sírios com o corpo de um dos pilotos

russos. A veracidade do material ainda não foi confirmada, porém detalhes na vestimenta e nos acessórios usados pelo homem nas imagens conferem com os usados por militares russos na Síria.

Militares russos confirmaram que um dos pilotos foi morto por tiros disparados do solo. Além disso, um soldado russo foi morto durante as operações de busca pelos dois pilotos do SU-24. A emissora Sky News divulgou um vídeo que supostamente mostra rebeldes sírios explodindo um helicóptero russo com uma bazuca. O paradeiro do segundo piloto segue desconhecido.

Imagens feitas por uma emissora de televisão local mostram a aeronave em chamas pouco tempo antes de atingir o solo em uma região conhecida como Monte Turcomano, no norte da Síria. E a agência de notícias estatal da Turquia Dogan transmitiu imagens do que seriam helicópteros russos voando sobre território sírio numa aparente busca pelos dois pilotos.

PV/lusa/afp/ap/rtr

Leia mais

Links externos